OFERTA FORMATIVA

Ref. 125T8 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 02-07-2024

Fim: 18-07-2024

Regime: e-learning

Local: on-line

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 02-07-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 04-07-2024 (Quinta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
3 04-07-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 09-07-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 11-07-2024 (Quinta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
6 11-07-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 16-07-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
8 18-07-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 160T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-122566/24

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 15-05-2024

Fim: 08-06-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária de Seia (1ª sessão) e Marina da Aguieira

Formador

Sérgio Manuel Rocha Silva

Destinatários

Professores dos grupos 260 e 620

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 260 e 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 260 e 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1 em parceria com o Agrupamento de Escolas de Seia

Enquadramento

A inserção da presente ação no nosso Plano de Atividades visa dar resposta às necessidades de formação de professores na área das atividades desportivas emergentes como matéria alternativa do programa de Educação Física. As Atividades de Exploração da Natureza como matérias alternativas têm vindo a assumir um papel acrescido de motivação e de empenho. O desenvolvimento turístico do nosso país, associado ao aumento da oferta de cursos profissionais na área Desportiva e Turística e à constante necessidade de atualização de conhecimentos cientifico-pedagógicos por parte dos docentes, revela a carência de formação nesta área. As Atividades Náuticas não são uma matéria alternativa estanque. A promoção da Atividade Física consistente e significativa visa, aqui, o recurso a formas e conteúdos diversos de concretização. O transfere de conhecimentos motores entre modalidades desportivas diversas é o garante de uma formação desportiva global. Por seu lado, a diversidade de matérias e a sua correspondência com as ambições dos alunos, concorre positivamente no combate ao abandono escolar. Quando a escola procura novas formas de cativar os alunos e de os motivar para as aprendizagens, as atividades como o SUP e o Wakeboard podem assumir um papel preponderante nessa demanda. A formação de professores deve ser enriquecedora e diversificada. Atividades como o SUP e o Wakeboard podem ser uma alavanca motivadora para o que muitas vezes é o portfólio da formação de professores.

Objetivos

1. Sensibilizar os professores para a importância da prática do Stand UP Paddle e do Wakeboard e evidenciar os princípios educativos deste desporto no meio escolar. 2. Permitir a aquisição de competências essenciais ao ensino das modalidades e que melhorem a capacidade de intervenção junto dos alunos. 3. Promover e aplicar sistemas de observação e avaliação específicos à deteção de erros técnicos. 4. Analisar e aplicar propostas de programa das modalidades à realidade escolar. 5. Divulgar os sistemas de competição mais comuns adaptados à realidade escolar. 6. Promover a criação de clubes de Desportos Náuticos no âmbito do Desporto Escolar.

Conteúdos

STAND UP PADDLE I - SESSÕES TEÓRICAS DE EXPOSIÇÃO E ANÁLISE: (1,5 HORAS) I.1. Resenha Histórica; I.2. O SUP como atividade desportiva: I.2.1. O SUP como Turismo Desportivo; I.2.2. Regras de Segurança; I.2.3. Regras de Navegação; I.3. Análise da prática do SUP: I.3.1. Posição base deitado; I.3.2. Posição base joelhos; I.3.3. Posição base pé; I 3.4. Remada; I 3.5. Viragem à direita; I 3.6. Viragem à esquerda; I.3.7. Transferência de peso. I.4. A avaliação: Global (dos conhecimentos teóricos adquiridos). II - SESSÕES PRÁTICAS (11 HORAS) II.1. Transporte e preparação do material; II.2. Posição base deitado; II.3. Posição base joelhos; II.4. Posição base pé; II.5.1. Remada à frente; II.5.2. Remada atrás; II.6.1. Viragem à direita; II.6.2. Viragem à esquerda; II.7. Transferência de peso; II.8. Manobras; II.9.1. Identificação de critérios de êxito; II.9.2. Identificação de erros mais comuns. II.10. Avaliação: II.10.1. Lecionação de uma técnica; II.10.2. Percurso técnico com utilização da técnica lecionada. WAKEBOARD I. SESSÕES TEÓRICAS DE EXPOSIÇÃO E ANÁLISE: (1,5HORAS) I.1. Resenha Histórica; I.2. O Wakeboard como atividade desportiva: I.2.1. O Wakeboard como Turismo Desportivo; I 2.2. Regras de Segurança; I 2.3. Regras de Navegação; I.3. Análise da prática do Wakeboard: I.3.1. O Take off; I 3.2. Posição base; I.3.3. Viragem; I.3.4. Viragem à direita; I.3.5. Viragem à esquerda; I 3.6. Porque acontece a viragem quando o indicador é o centro de massa; I.3.7. Outras variáveis; I.3.8. Força Centrifuga; I.3.9. Transferência de peso. I.4. A avaliação: Global (dos conhecimentos teóricos adquiridos). II. SESSÕES PRÁTICAS (11 HORAS) II.1. O Take off; II.2. Posição base; II.3. Viragem: II.3.1.Viragem à direita; II.3.2. Viragem à esquerda; II.3.3. Porque acontece a viragem quando o indicador é o centro de massa; II.3.4 Outras variáveis: II.3.5. Força Centrifuga; II.3.6. Transferência de peso; II.4. Saída da Esteira: II.4.1. Saída à direita; II.4.2. Saída à esquerda; II.4.3. O regresso ao centro da esteira; II.5. Manobras: II.5.1. Os primeiro saltos; II.5.2. “toe side”; II.5.3. “Heel side”; II.5.4. O 180º; II.6.1. Identificação de critérios de êxito; II.6.2. Identificação de erros mais comuns. II.7. Avaliação: II.7.1. Lecionação de uma técnica; II.7.2. Percurso técnico com utilização das técnicas lecionadas.

Metodologias

SUP Sessões Teóricas 1,5 h Conteúdo 1: Resenha Histórica. – 15‘ Conteúdo 2: O SUP como ativ. Desportiva – 30’ Conteúdo 3: Análise da prática do SUP - 30’ Conteúdo 4: Av. Global - 15’ Sessões Práticas – 11h Conteúdo 5: Preparação e transporte do material - 1 h Conteúdo 6: P. Base - 2 h Conteúdo 7: Remada - 2 h Conteúdo 8: Manobras - 2 h Conteúdo 9: A execução prática: Av. global 2 h Conteúdo 10: Avaliação: Percurso técnico; lecionação de uma técnica. 2 h Wake Sessões Teóricas 1,5 h Conteúdo 1: Resenha Histórica. – 15’ Conteúdo 2: O Wake como ativ. Desportiva – 30’ Conteúdo 3: Análise da prática do Wakeboard - 30’ Conteúdo 4: Av. Global - 15’ Sessões práticas 11 h Conteúdo 5: Take off - 3 h Conteúdo 6: P. Base - 1 h Conteúdo 7: Saída da esteira (Viragens) - (1 h) Conteúdo 8: Aperfeiçoamento das viragens – 1 h Conteúdo 9: Manobras - (1 hora) Conteúdo 10 A execução prática: Av. global - 2 h Conteúdo 11: Avaliação: Percurso técnico; lecionação de uma técnica. - 2 h

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e considerados os seguintes critérios e instrumentos de avaliação: A avaliação é efetuada pelo formador, através do preenchimento de uma ficha nominativa de avaliação quantitativa (escala de um a dez) considerando os seguintes itens: ITEM UM – CONHECE E TRANSFERE OS SABERES ADQUIRIDOS A NOVAS SITUAÇÕES. (Classificação de 1 a 10).Realização, entre cinco a dez minutos, de uma situação de aplicação prática de conhecimentos proposta pelo formador. [100%] ITEM DOIS - PARTICIPAÇÃO (Classificação de 1 a 10) * Interesse e empenho (O formador classifica em três níveis percentuais: um/quinze/vinte e cinco) [25%] * Qualidade das intervenções (O formador classifica em três níveis percentuais: um/quinze/vinte e cinco) [25%] * Iniciativa (O formador classifica em três níveis percentuais: um/quinze/vinte e cinco) [25%] * Pontualidade (O formador classifica em três níveis percentuais: um/quinze/vinte e cinco) [25%] PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO FINAL DO FORMADOR (Item 1+ Item 2).

Modelo

- Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; - Relatório do formador; - Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

• www.standuplatino.com • www.standuppaddlesurf.net • COOPERMAN, Stephanie (2003) Wakeboard: Techniques and Tricks, The Rose Publishing Group; • ORR, Tamra (2001) Extreme Wakeboarding, Sports on the edge


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 17-05-2024 (Sexta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial
2 08-06-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
3 08-06-2024 (Sábado) 15:00 - 19:00 4:00 Presencial
4 15-06-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 15-06-2024 (Sábado) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
6 24-06-2024 (Segunda-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
7 20-07-2024 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial

Ref. 125T6 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 28-06-2024

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 18-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
3 23-05-2024 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 01-06-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
5 04-06-2024 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 22-06-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 24-06-2024 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 28-06-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 125T7 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 28-06-2024

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 18-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
3 23-05-2024 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 01-06-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
5 04-06-2024 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 22-06-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 24-06-2024 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 28-06-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona

Ref. 157T1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-122378/23

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 30.0 horas (15.0 horas presenciais + 15.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 09-04-2024

Fim: 04-06-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária c/ 3º CEB de Gouveia

Formador

Alexandre Augusto dos Reis Gomes

Destinatários

Professores dos Grupos de Recrutamento 500, 510 e 550

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos de Recrutamento 500, 510 e 550. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos de Recrutamento 500, 510 e 550.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Gouveia em parceria com o CFAE Guarda-1

Enquadramento

No Despacho n.º 6478/2017, 26 de julho são apontadas como imperativas algumas competências que devem ser desenvolvidas por todos os alunos no final da escolaridade obrigatória, nomeadamente competências associadas a raciocínio e resolução de problemas, ao desenvolvimento de processos conducentes à construção de produtos e de conhecimento, utilizando recursos diversificados, ao saber científico, técnico e tecnológico, à manipulação e manuseio de materiais e instrumentos diversificados para controlar, utilizar, transformar, imaginar e criar produtos e sistemas; à criação de produtos tecnológicos em projetos e aplicações práticas desenvolvidos em ambientes físicos e digitais, entre muitas outras. Desta forma, a utilização de calculadoras gráficas e sistemas associados para desenvolvimento de projetos que conjuguem algoritmia, programação, robótica e aquisição de dados com sensores permite, por um lado, promover uma eficaz articulação entre diferentes áreas do saber inerentes a diversas disciplinas integrantes do currículo nacional dos alunos e, por outro, o desenvolvimento de competências em alunos e professores para o trabalho colaborativo, inovador, e no âmbito do pendor STEM. O desenvolvimento de trabalhos envolvendo professores de diferentes grupos de recrutamento, potencia a possibilidade de adaptação dos projetos realizados, no âmbito desta formação, ao contexto dos Domínios de Áreas Curriculares definidos em Projetos de Autonomia e Flexibilidade Curricular.

Objetivos

• Mobilizar os professores para o desenvolvimento de práticas inovadoras no ensino; • Contribuir para o aperfeiçoamento das competências científicas, técnicas e didáticas necessárias ao trabalho colaborativo e de projeto, nomeadamente de pendor STEM; • Fomentar o desenvolvimento de autonomia e de autoconfiança no trabalho com equipamentos tecnológicos necessários à realização de projetos interdisciplinares; • Permitir o aprofundamento dos conhecimentos relativos a tecnologias atuais; • Explorar e criar materiais didáticos diversificados; • Promover a utilização da tecnologia na exploração de situações problemáticas; • Refletir sobre as vantagens e inconvenientes da utilização da tecnologia nas atividades de ensino-aprendizagem; • Incentivar a investigação e a troca de experiências entre os professores contribuindo para a sua formação; • Promover a reflexão sobre a metodologia STEM; • Atualizar e aperfeiçoar alguns conhecimentos científicos, operacionalizando-os em termos práticos.

Conteúdos

• Apresentação da ação e identificação de metodologias ativas propostas nos programas que exigem a utilização dastecnologias em causa (1h); • Apresentação dos componentes da tecnologia (1h); • Noções gerais de algoritmia e de programação: aplicações práticas (4h); • Realização, exploração e discussão de projetos envolvendo algoritmia e programação com a tecnologia TI-Nspire e suaarticulação com as áreas disciplinares envolvidas (6h); • Trabalho autónomo: Desenvolvimento de projetos envolvendo algoritmia e programação com a tecnologia TI-Nspire em contexto de ensino/aprendizagem (15h); • Apresentação dos trabalhos desenvolvidos. Avaliação (3h).

Metodologias

Desenvolvimento de projetos envolvendo algoritmia, programação e robótica, interligados com os conteúdos programáticos de cada uma das disciplinas. Experimentação exaustiva de cada equipamento estudado e do seu princípio de funcionamento em consonância com as orientações presentes nos programas disciplinares. Discussão/reflexão sobre a natureza de cada projeto, a sua abordagem nos programas e a sua Contextualização STEM Reflexão crítica sobre as atividades desenvolvidas, os resultados obtidos e sobre a sua utilização pedagógica, a pertinência e funcionalidade dos instrumentos produzidos e testados. No âmbito das sessões de trabalho autónomo, os formandos aplicarão os conhecimentos adquiridos no sentido de consolidar e aprofundar competências inerentes ao uso da tecnologia em causa, de forma a promover a melhoria das suas intervenções subsequentes. As metodologias de trabalho a usar nesta ação deformação baseiam-se, fundamentalmente, no desenvolvimento de projetos envolvendo programação, robótica e uso de sensores, em articulação, aplicados em contexto de sala de aula ou no âmbito do desenvolvimento de projetos interdisciplinares.

Avaliação

A avaliação da Oficina de Formação é realizada de modo contínuo pelo formador em conjunto com os formandos, e tem como referência os objetivos e finalidades da Formação. Esta avaliação incide sobre o desenvolvimento das competências dos formandos ao longo do percurso formativo. São tomados em consideração os seguintes aspetos: • Empenho e participação nas sessões; • Qualidade dos instrumentos de trabalho produzidos nas sessões; • Qualidade das interações com os restantes elementos do grupo em formação e formador; • Qualidade e pertinência pedagógica do trabalho autónomo desenvolvido; • Reflexão crítica sobre a formação vivenciada. A avaliação quantitativa dos formandos será expressa numa escala de 1 a 10 valores, nos termos do artigo 4.º, nº 6, do Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio. A avaliação será, igualmente, expressa em termos qualitativos em conformidade com a escala que a seguir se indica: • Excelente - de 9 a 10 valores; • Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; • Bom - de 6,5 a 7,9 valores; • Regular - de 5 a 6,4 valores; • Insuficiente - de 1 a 4,9 valores

Modelo

- Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; - Relatório do formador; - Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

Aldon, G. et al Nouvel environnement technologique, nouvelles ressources, nouveaux modes de travail : le projet e-CoLab,Répères-IREM 72 et EducMath , 2008. Martins, G. et. al., Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, Editorial Ministério da Educação e Ciência, 2017. Gomes, A; Santos, J., Algoritmia, programação e robótica com a TI-Nspire CX II-T, FCA Editores, 2019.


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-04-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 23-04-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 07-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 21-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 04-06-2024 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Não existem ações.

Ref. 159T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-04/2024

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 17-04-2024

Fim: 15-05-2024

Regime: b-learning

Local: On-line (1ª sessão); Escola Sec. de Gouveia (2ª sessão)

Formador

João António de Almeida Ferreira Gonçalves

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Gouveia

Enquadramento

Esta formação pretende capacitar os/as docentes de conhecimentos e competências facilitadoras do trabalho educativo com crianças e jovens ciganos/as. Pretende-se que o conhecimento por parte dos/as docentes, da diversidade cultural das pessoas ciganas se constitua enquanto alavanca da inclusão escolar das crianças e jovens desta etnia potenciando o seu sucesso educativo. Consubstanciando-se nos seguintes objetivos: - Promover a aquisição de conhecimentos sobre história e cultura ciganas; - Potenciar a eficácia do trabalho de docentes com crianças e jovens ciganos/as; - Promover o desenvolvimento de competências e estratégias eficazes no trabalho com pessoas ciganas; - Conhecer as boas práticas existentes no trabalho com pessoas ciganas.

Objetivos

No final os formandos conhecerão e identificarão as especificidades culturais dos portugueses ciganos bem como as semelhanças com as tradições portuguesas de outrora e ainda pistas de intervenção em várias áreas. Identificarão o percurso histórico, os 3 grupos de ciganos, as leis repressivas, os 3 grupos de ciganos em Portugal, a Lei Cigana, O luto, O Casamento, Os valores simbólicos dos ciganos, pistas de intervenção com as comunidades ciganas.

Conteúdos

...

Metodologias

Exposição e discussão.

Avaliação

...

Modelo

Resposta, pelos formandos, a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 17-04-2024 (Quarta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
2 15-05-2024 (Quarta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Presencial

Ref. 158T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-03/2024

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 28-02-2024

Fim: 28-02-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária de Gouveia

Formador

José Correia Lopes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e professores de Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Gouveia

Enquadramento

A escola atual exige a definição de estratégias reguladoras e atuações educativas de êxito, de maior envolvimento dos alunos nas aulas, concentrando-se nos diferentes estilos de aprendizagem, nas inteligências que cada um revela, na diversificação dos materiais/recursos e na gestão do currículo e do tempo. É desta correlação de ambientes educativos, onde as interações são privilegiadas que dependem as aprendizagens. É necessário e imprescindível que a escola assegure a inclusão e a equidade, o que implica tomar medidas para prevenir e abordar todas as formas de exclusão e marginalização, de vulnerabilidade e de desigualdade no acesso, na participação e na conclusão da escolaridade obrigatória, bem como nos processos e resultados de aprendizagem. Requer também a compreensão da diversidade dos alunos como oportunidade para melhorar e democratizar a aprendizagem para todos os alunos. Neste processo de melhoria contínua da escola, a evidência demonstra claramente a importância do incentivo parental. O envolvimento e participação dos pais e encarregados de educação nas atividades em casa, na escola e nas salas de aula afeta, de forma positiva, tendo forte impacto nos progressos, nas atitudes e nas aspirações das crianças. Nesta linha de pensamento, a presente formação contribuirá para discutir como a educação inclusiva e equitativa constitui um poderoso recurso para acelerar os esforços das escolas no seu processo de desenvolvimento contínuo na gestão da diversidade.

Objetivos

(1) Planear com intencionalidade a dinâmica pedagógica inclusiva as aprendizagens a desenvolver; (2) Reconhecer a importância da avaliação para as aprendizagens nos processos de ensino e aprendizagem dos alunos; (3) Reforçar competências de trabalho colaborativo e de resolução de problemas.

Conteúdos

...

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 28-02-2024 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 155T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-02/2024

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 31-01-2024

Fim: 31-01-2024

Regime: Presencial

Local: Espaço digital da BE da EB 2,3 Dr. Guilherme C. de Carvalho

Formador

Isabel Cristina Rodrigues dos Santos Albuquerque

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Dr. Guilherme Correia de Carvalho (Seia)

Enquadramento

Sabemos que o serviço a disponibilizar pelas bibliotecas escolares deve orientar, aconselhar e acompanhar cada utilizador - alunos, professores e restante comunidade educativa, procurando ir ao encontro das suas necessidades. Com a pandemia e o E@D, as bibliotecas escolares tiveram de se “reorganizar” e (re)definir novas prioridades de modo a complementar a sua presença física com a presença digital, definindo, implementando e consolidando a sua identidade digital. A aposta num formato híbrido tornou-se uma necessidade, complementando a presença física da biblioteca com um serviço em suporte digital, disponibilizando recursos educativos diversificados de apoio ao currículo e às aprendizagens, com um formato simples, intuitivo, interativo e dinâmico através de uma página web, com um menu, para permita ao utilizador aceder com facilidade ao mesmo. Assim, serve esta Ação para mostrar aos docentes a forma como esse serviço em linha está estruturado, os recursos educativos digitais que estão aí alocados e a forma como podem aceder, procurar e utilizar, pedagogicamente, esses materiais.

Objetivos

✓ Reforçar o lugar da biblioteca na vida escolar e na comunidade; ✓ Partilhar com os docentes os recursos e os serviços disponibilizados pela BE no apoio às aprendizagens; ✓ Mostrar a página web que está a ser construída e atualizada pela BE e a forma como está estruturada.

Conteúdos

✓ Menu do sítio das bibliotecas escolares do concelho de Seia; ✓ Recursos para as diferentes áreas disciplinares; ✓ Recursos para os diferentes níveis de ensino; ✓ Recursos digitais online; ✓ Biblioteca & cidadania ativa.

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

- Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; - Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 31-01-2024 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 154T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-01/2024

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 24-01-2024

Fim: 24-01-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Básica e Secundária de Fornos de Algodres

Formador

Isabel Catarina Martins

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres

Enquadramento

O DUA constitui um modelo estruturante e orientador na construção de ambientes de aprendizagem acessíveis e efetivos para todos os alunos, que defende os princípios da Acessibilidade, Flexibilidade e Participação. O DUA permite criar um currículo mais flexível e acessível, que responda às necessidades de todos os alunos a quem devem ser dadas oportunidades de participar de forma ativa e motivada na sua aprendizagem, independentemente das suas características individuais... . Esta ação pretende ser uma oportunidade para os professores refletirem sobre a sua prática pedagógica e para discutirem abordagens inclusivas. Considerar os princípios do DUA aumenta a probabilidade de sucesso de todos os alunos, podendo este ser um caminho para a equidade na Educação.

Objetivos

• Promover a compreensão dos princípios e das estratégias do DUA; • Fomentar a implementação de práticas pedagógicas inclusivas, centradas no aluno; • Contribuir para adoção de metodologias que visem o sucesso de todos os alunos.

Conteúdos

• O DUA, como prática de gestão flexível do currículo; • Definição e Princípios do DUA; • Exemplos de implementação do DUA.

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 24-01-2024 (Quarta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Presencial

Ref. 153T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-121527/23

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 20-01-2024

Fim: 09-03-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Sacadura Cabral - Celorico da Beira (sala 13)

Formador

José Fonseca Cruz

Destinatários

Professores dos Grupos de Recrutamento 230 e 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos de Recrutamento 230 e 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos de Recrutamento 230 e 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

A informática e as comunicações desempenham um papel incontornável na sociedade atual. Por outro lado, o desenvolvimento do pensamento computacional e da programação podem ser vistos como uma mais-valia para qualquer pessoa, uma vez que permitem desenvolver um conjunto de competências importantes para a sociedade do século XXI e transversais a várias áreas do saber. A linguagem Scratch é um dos exemplos que a nível mundial tem obtido maior sucesso nesse âmbito. Este curso sobre pensamento computacional e Scratch, especialmente vocacionado para professores do Ensino Básico, pretende fornecer-lhes a formação e as ferramentas necessárias para o fazerem mais facilmente, embora assente numa utilização pedagógica fundamentada, em contexto real. Aprender essas competências é, no entanto, uma tarefa que coloca desafios significativos, pois é essencialmente baseada na resolução de problemas. Contudo, ela deve ser promovida logo desde os primeiros anos de escolaridade. Assim sendo as ferramentas a usar devem ser adequadas a esse público-alvo.

Objetivos

1.Contribuir para o PADDE do Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira, no que diz respeito à Dimensão Pedagógica -práticas pedagógicas, desenvolvimento curricular e formação de docentes; 2.Experienciar diversas situações de aprendizagem, mediadas pelo Scratch, que facilitem a criação de estratégias pedagógicas adequadas com vista à operacionalização das Aprendizagens Essenciais (AE) no âmbito da nova revisão curricular; 3.Promover o desenvolvimento de práticas que visem estruturar, passo a passo, o processo de resolução de um problema, incentivando os alunos a criarem algoritmos que possam descrever essas etapas, nomeadamente com recurso à tecnologia, promovendo a criatividade e valorizando uma diversidade de resoluções e representações que favoreçam a inclusão de todos (um dos três princípios essenciais que as AE assumem); 4.Desenvolver a consciência para a utilização de ambientes de programação visual nomeadamente, o Scratch, na promoção do Pensamento Computacional contribuindo para desenvolver nos alunos Capacidades Matemáticas Transversais.

Conteúdos

Apresentação da Oficina de Formação: 1 Hora O que é o pensamento computacional? 2 Horas Os 5 grandes pilares do pensamento computacional. 3 Horas Apresentação e exploração do ambiente de programação visual Scratch: 9 Horas - O Ambiente Scratch; - Comandos básicos; - Estruturas de controlo; - Comandos avançados; - Construção de animações; - Construção/Exploração de Histórias interativas e jogos educativos. Identificação dos conteúdos de aprendizagem das AE que podem ser explorados com o Scratch; 2 Horas Exploração de Tarefas, com recurso ao Scratch, que promovam os conteúdos de aprendizagem (conhecimentos,capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) das AE; 2 Horas Construção de Cenários de Aprendizagem para a sala de aula. 6 Horas

Metodologias

Na componente presencial a formação desenvolver-se-á com sessões teóricas e práticas. A participação nas sessões de trabalho autónomo corresponde à execução de um conjunto de tarefas previamente definidas nas sessões presenciais e que devem ser aplicadas em sala de aula. As tarefas que carecem de ser resolvidas serão enviadas para a plataforma Classroom de acordo com a calendarização estabelecida.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário de avaliação da formação a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório do formador; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

Almodóvar J. A y Rodríguez M. (2005) Matemáticas 4. Santillana Educación, S.L Barredo Blanco, D. (s.a) La geometría del Triángulo. [En línea]. Ceuta, disponible enhttp://ficus.pntic.mec.es/dbab0005/triangulos/Geometria/pdf/Global.pdf [28 de noviembre de 2017] Rey Pastor, J. y Puig Adam, P. (1931) Elementos de Geometría. Madrid, Colección Elemental Intuitiva Poloni, Leonardo, Eliana Maria do Sacramento Soares e Carine G. Webber.

Anexo(s)


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-01-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 20-01-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial
3 03-02-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 03-02-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial
5 17-02-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
6 17-02-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial
7 02-03-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
8 09-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

Ref. 152T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-121910/23

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 13-01-2024

Fim: 25-03-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Básica de Fornos de Algodres (sala 3)

Formador

Jorge Manuel Carrilho Margarido

Destinatários

Educadores de infância (Grupo 100) e Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico (Grupo 110)

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de infância (Grupo 100) e Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico (Grupo 110). Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de infância (Grupo 100) e Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico (Grupo 110).

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

Apesar do reconhecimento do valor educativo da prática sistemática e regular da Educação Física nas escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico, são ainda em número reduzido os professores que a propiciam de uma forma estruturada (de acordo com princípios pedagógicos de desenvolvimento vertical do currículo), de forma coerente (segundo princípios organizativos de regulação didática) e de uma forma autónoma (em consonância com os recursos materiais e espaciais disponíveis). Das razões apresentadas pelos professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico para a não realização de sessões de Educação Física, apesar de devidamente consignada nos currícula, sobressaem as de falta de espaços adequados, de recursos didáticos e de tempo para a prática. Contudo, vários estudos apontam, também, para carências de atualização formativa de índole didático-pedagógica (Rocha, L., 1998, entre outros), especificamente, no que diz respeito à interpretação do programa, dificuldades de planeamento e inerente operacionalidade das sessões. Assim, o objetivo desta ação é o de sensibilizar o professor do 1.º Ciclo e o Educador de Infância para a utilização da área de Educação Física, quer como recurso pedagógico com objetivos próprios, quer porque, em si mesma, subjaz como direito institucional do aluno na promoção de aprendizagens significativas fomentadoras de hábitos de vida ativa, deenriquecimento físico e intelectual numa perspetiva globalizante do currículo, enquanto atributo de salubridade em meioescolar.

Objetivos

- Autonomizar os professores na prática das sessões de Educação Física; - Desenvolver competências pedagógicas ao nível da conceção, do planeamento e da execução das aulas de EducaçãoFísica; - Estimular a autoformação; - Incrementar a proficiência global da qualidade do ensino.

Conteúdos

Bloco 1 Componente teórica e teórico-prática (25 horas) 1- Resenha histórica da Educação Física no currículo do 1.º Ciclo do Ensino Básico (1 hora); 2- Conceção atual da Educação Física como eclética, inclusiva e promotora do desenvolvimento multilateral (1 hora); 3- As Aprendizagens Essenciais de Educação Física nos 1º, 2º, 3º e 4º anos de escolaridade: filosofia, características, modelo, estrutura, forma e interdisciplinaridade (1 hora); 4- Características de uma aula de Educação Física: aspetos organizativos e de gestão (3 horas); 5- Características fundamentais e indicações metodológicas sobre os blocos do programa (3 horas); 6- Opções e decisões estratégicas: modelo de planeamento (1 hora); 7- Práticas pedagógicas de micro-ensino: preparação e simulação de sessões de EFM com incidência nos Blocos de Jogos, Atividades Rítmicas e Expressivas (Dança), Perícias e Manipulações e Deslocamentos e Equilíbrios (12 horas); 8- Avaliação dos formandos e da ação de formação (3 horas). Bloco 2 Da teoria à prática (25 horas) Neste bloco pretende-se que os docentes depois da sua formação em “contexto convencional” executem sessões de EF com os seus alunos com prevalência nos Blocos de Jogos, Atividades Rítmicas e Expressivas, Perícias e Manipulações e Deslocamentos e Equilíbrios. Neste processo, que decorrerá, pelo menos, durante um período letivo, os professores serão acompanhados, em algumas sessões, pelo formador que irá monitorizar o processo de formação. Com esta componente formativa pretende-se que os docentes mobilizem os conteúdos que foram aprendidos ao longo das sessões teóricas e teórico-práticas.

Metodologias

- A componente teórica e teórico-prática terá, na fase inicial, algumas sessões de carácter essencialmente expositivo, não deixando de recorrer à técnica interrogativa como instrumento de mobilização do interesse dos formandos para a atividade formativa. - Numa fase mais avançada desta componente formativa as sessões assumirão características teórico-práticas dando lugar a situações de micro-ensino formador/formandos tendo em vista, não só a análise das práticas pedagógicas, mas também – e sobretudo –, a organização e simulação de sessões de EF com incidência nos Blocos de Jogos, Atividades Rítmicas e Expressivas, Perícias e Manipulações e Deslocamentos e Equilíbrios. A componente de trabalho autónomo do formando, irá desenvolver-se em contexto real (atividades letivas com os alunos). Esta fase, eminentemente prática e de aplicação dos conteúdos e ferramentas apreendidas nas sessões presenciais, consistirá na realização de sessões/aulas de EF com os seus alunos com prevalência nos Blocos de Jogos, Atividades Rítmicas e Expressivas, Perícias e Manipulações e Deslocamentos e Equilíbrios. - Nesta segunda fase, o professor/formando será acompanhado, em alguns momentos, pelo formador, sendo este um aspecto essencial da oficina.

Avaliação

A avaliação é quantitativa, utilizando-se a escala de 1 a 10, com o referencial previsto no n.º 6, do artigo 4.º, do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, com os seguintes critérios e indicadores: - Participação (15%) - Realização das tarefas nas sessões (15%) SUBTOTAL: 30% - Produção de trabalhos e/ou materiais (25%) - Investigação (10%) - Aplicação (10%) SUBTOTAL: 45% - Reflexão crítica/Memória Final (10%) - Trabalho Final (15%) SUBTOTAL: 25% TOTAL: 100%

Modelo

- Resposta dos formandos a um questionário de avaliação da formação disponibilizado pela entidade formadora; - Relatório do formador; - Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

“Aprendizagens Essenciais - 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico I Educação Física 1.º ano, 2.º ano, 3.º ano, 4.º ano, 5.ºano, 6.º ano, 7.º ano, 8.º ano e 9.º ano de escolaridade”, ME/DGE, 2018 (Em vigor de acordo com o previsto no artigo 38.ºdo Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho); “Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar”, ME/DGE, 2016; “Programa Curricular de EFM”, ME/O.E.B., 1995; “A Educação Física no 1.º CEB”, ME/DGEBS, 1992; “Manual de Educação Física – 1.º CEB”, GCDE, 1998.

Anexo(s)


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-01-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 13-01-2024 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial
3 14-02-2024 (Quarta-feira) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 14-02-2024 (Quarta-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
5 24-02-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
6 24-02-2024 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial
7 25-03-2024 (Segunda-feira) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial

Ref. 151T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-121967/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 10-01-2024

Fim: 13-03-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Básica e Secundária de Aguiar da Beira

Formador

Cristina Maria Rodrigues dos Santos Maltez

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Padre José Augusto da Fonseca - Aguiar da Beira em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O sucesso pessoal e educativo e a promoção de uma profunda literacia da leitura começam com a formação dos pré-leitores e deve continuar ao longo da escolaridade através de atividades de leitura escrita e visual, sessões de escrita criativa e de leitura dinâmicas e criativas e workshops de construção de estórias e materiais. O livro é uma ferramenta com diversas potencialidades e, unida à sua leitura, devem ser inclusivos e contribuir para a formação do aluno na edificação da sua cidadania, atitudes e valores. O livro é um elo compulsivo na criação de laços colaborativos, criativos e criadores estando presente em muito e muitos currículos disciplinares.

Objetivos

Pretende-se com esta ação de formação conseguir que: - Os docentes utilizem o livro como ferramenta de trabalho em contexto de sala de aula e biblioteca; - Os docentes dinamizem atividades com os alunos tendo por base o livro e as suas potencialidades proporcionando a criatividade, a inclusão, a reflexão e desenvolvimento do espírito critico; - Se desenvolva o trabalho colaborativo entre as várias áreas do saber e entre os docentes e a biblioteca; - Se dinamizem atividades que envolvam a partilha de experiências capazes de contribuir para o crescimento pessoal do aluno.

Conteúdos

1. Apresentação dos objetivos e metodologias, formas de avaliação e formação de grupos de trabalho (1 hora); 2. A competência de leitura visual (a ilustração – importância, evolução, diferenciação, construção) (6 horas); 3. O livro como ponto de partida para um conjunto diversificado de atividades (parcerias curriculares) (6 horas); 4. O livro inclusivo (6 horas); 5. Atividades de escrita criativa (3 horas); 6. Apresentação de trabalhos discussão (3 horas) Total de 25 horas

Metodologias

Esta Ação de Formação assenta numa abordagem das potencialidades do livro como ferramenta de trabalho capaz de ser utilizado em diversos pontos dos currículos de várias disciplinas. O professor bibliotecário apercebe-se do papel, do contributo, das dinâmicas que transformam o livro num importante elemento de trabalho colaborativo devendo partilhá-lo com os docentes das disciplinas expondo-o como um trampolim para um conjunto de atividades. A formação leitora, escrita e visual deve ser desenvolvida desde o pré-escolar e estar presente em qualquer área curricular. E, durante este processo, podem ser criadas uma série de dinâmicas que facilitam o entrosamento do leitor e do docente com o livro. Assim, aquilo que propomos é a analise da ilustração, de onde para onde, construção de livros em pop-up básico e inclusivos, práticas de escrita criativa, elaboração de guiões de leitura e exploração de livros aplicados a várias disciplinas – trabalhos desenvolvidos em grupo ou individual, nas sessões, de forma presencial. Com os trabalhos será criado um portfólio para partilha entre os formandos, as bibliotecas das suas escolas e outros docentes.

Avaliação

A avaliação, sendo contínua, traduzir-se-á numa classificação final expressa na escola de 1 a 10, em conformidade com o referencial previsto no n.º 2, do artigo 46.º do Estatuto da Carreira Docente, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º15/2007, de 19 de Janeiro. A avaliação deve ter um carácter formativo e regulador pressupondo a interacção entre formador e formandos no contexto do debate critico e na concretização das actividades práticas. A avaliação / classificação incide na construção e elaboração de materiais a partir do trabalho de grupo (40%), interesse e participação ativa nas sessões presenciais (20%), e reflexão critica (40%).

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário de avaliação da formação disponibilizado pela entidade formadora; Relatório do formador; Relatório da entidade formadora

Bibliografia

BETTELHEIM, Bruno (2008). Psicanálise dos contos de fadas. Lisboa: Bertrand Editora. CARTER, David. Los Elementos Del Pop-Up. HELLER, Eva (2012). A psicologia das Cores, como as cores afetam a emoção e a razão. Barcelona: Editorial Gustavo Gili. MUNARI, Bruno (2014). Das coisas nascem coisas. Lisboa: Edições 70. SANTOS, Margarida Fonseca (2013). Escrita em dia. Lisboa: Clube do Autor. Baile dos móveis da sala de jantar. Conceição Rios Bolas de sabão, Emma Giuliani Capuchinho Vermelho – conto clássico em pop-up Na noite escura, Bruno Munari

Anexo(s)


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 10-01-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 17-01-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
3 24-01-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
4 31-01-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 07-02-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 21-02-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 28-02-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 13-03-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial

Ref. 150T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-10/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 22-11-2023

Fim: 22-11-2023

Regime: Presencial

Local: Espaço digital da BE da EB 2,3 Dr. Guilherme C. Carvalho

Formador

Isabel Cristina Rodrigues dos Santos Albuquerque

Destinatários

Professores do 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas Dr. Guilherme Correia de Carvalho e do Agrupamento de Escolas de Seia

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Dr. Guilherme Correia de Carvalho e Agrupamento de Escolas de Seia

Enquadramento

Esta proposta surge no âmbito de uma Ação de Formação “Ilha Periscópio” promovida pela DGE e frequentada pela professora bibliotecária, entre abril e julho de 2023. O objetivo da formação era capacitar formadores para darem a conhecer os recursos do projeto Recursos Educativos Digitais para o 1º CEB, promovendo a reflexão sobre o seu uso e sobre as experiências pedagógicas daí decorrentes.

Objetivos

✓ Disponibilizar e divulgar recursos educativos digitais (RED) interativos, validados científica e pedagogicamente, para as áreas curriculares de Ciências Experimentais, Matemática e Português, do 1º CEB. ✓ Incrementar os recursos educativos digitais (RED) como um valioso auxiliar para a definição de estratégias pedagógicas de apoio à aprendizagem e facilitador do desenvolvimento do currículo em diversos temas/domínios das áreas curriculares de Ciências, Matemática e Português.

Conteúdos

Recursos Educativos digitais (RED) para o 1.º CEB nas áreas curriculares de Português: ✓ O comboio dos sons e das letras (https://redge.dge.mec.pt/ilha/por1/) ✓ DIGIBIBLIO (https://redge.dge.mec.pt/ilha/por2/) ✓ A fábrica de textos (https://redge.dge.mec.pt/ilha/por3/) ✓ A casa na quinta – das palavras às frases (https://redge.dge.mec.pt/ilha/por4/) Recursos Educativos digitais (RED) para o 1.º CEB nas áreas curriculares de Matemática: ✓ O Pescador - Cálculo Mental ✓ A Agricultora - Localiza na Reta ✓ O Camionista - Organiza os Dados ✓ O Alpinista - Adição e Subtração ✓ O Construtor - Multiplicação e Divisão ✓ O Arqueólogo - Classificação de Figuras ✓ A Arquiteta - Planificação de Sólidos

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 22-11-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 146C8T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117600/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 19-10-2023

Fim: 30-11-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (4 sessões presenciais = 10 h)

Formador

Helena Maria Daniel de Melo Carvalho

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

DGE em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

- Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; - Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; - Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; - Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática - Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 3 horas; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 3 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores-alunos - 3 horas; 5. Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 3 horas; 6. Processos de recolha de informação - 3 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos de intervenção desenvolvidos no âmbito da oficina - 7 horas.

Metodologias

Nas sessões presenciais os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. O trabalho autónomo pretende-se que seja realizado em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática. Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da análise de instrumentos e melhoria de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório do formador; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

Fernandes, D. (2021). Para uma fundamentação e melhoria das práticas de avaliação pedagógica no âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para a Conceção e Elaboração do Projeto de Intervenção no Âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para um enquadramento da formação de professores. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Machado, E. A. (2021). Feedback. Folha de apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning, and identity. Cambridge University Press.

Anexo(s)


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-10-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
2 23-10-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
3 30-10-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 06-11-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 09-11-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 13-11-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 16-11-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 20-11-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 29-11-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
10 30-11-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial


243

Ref. 144C10T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118039/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 09-10-2023

Fim: 30-11-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Sacadura Cabral - Celorico Beira (4 sessões presenc.)

Formador

Carlos Alberto Marques Lopes

Destinatários

Professores do Grupo de Recrutamento 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo de Recrutamento 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo de Recrutamento 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

DGE em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2024/2025, no que respeita ao 10.º ano de escolaridade; b) 2025/2026, no que respeita ao 11.º ano de escolaridade; c) 2026/2027, no que respeita ao 12.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 500, para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Secundário procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional), as suas finalidades e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional); - Ser capazes de refletir sobre os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional).

Conteúdos

- Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Secundário expressas nas novas AE - Ideias inovadoras do Currículo: o Matemática para a Cidadania; o Pensamento Computacional; o Diversificação de temas no currículo; o Matemática para todos. - Os novos módulos e o seu racional: o Introdução à Inferência Estatística o Geometria sintética o Matemática e arte o Distâncias inacessíveis o Álgebra de Boole o Modelos de grafos o Matemática financeira e fiscal o Matemática comercial o Matemática laboral o Biomatemática o Criptografia - Operacionalização das Aprendizagens Essenciais. - Exploração de ideias e conceitos, integrando a tecnologia como alavanca para a compreensão e resolução de problemas: o Abordagem exploratória de ideias e conceitos matemáticos; o Integração da tecnologia na experimentação, visualização, representação, simulação, interatividade, bem como no cálculo numérico e simbólico; o Recurso à folha de cálculo, a ambientes de geometria dinâmica, a aplicativos digitais diversos, a simulações, a smartphones, à calculadora gráfica e aos sensores, bem como a outros equipamentos e materiais; o Desenvolvimento do pensamento computacional com recurso a atividades de programação integradas na resolução de problemas. - Preparação, apresentação e discussão dos trabalhos e avaliação do curso de formação.

Metodologias

Sessões presenciais: A oficina terá sessões centradas na análise e apropriação dos documentos curriculares, nomeadamente nas orientações curriculares, nas ideias inovadoras, nas ideias-chave e na exploração de conceitos integrando a tecnologia como alavanca para a compreensão e resolução de problemas. No final da oficina os formandos realizarão a preparação, apresentação e discussão dos trabalhos realizados, que deverão enfatizar a reflexão sobre o seu papel na implementação do currículo. Nesta altura também será realizada a avaliação da oficina. Durante a formação o trabalho deve contemplar a complementaridade entre momentos de trabalho em pequenos grupos e apresentações e discussões no grande grupo. Sessões de trabalho autónomo: De forma intercalada será desenvolvido trabalho autónomo pelos formandos, com a leitura das AE e de textos disponibilizados, com a planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões síncronas, a elaboração e reflexão sobre tarefas para os alunos, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora elaborado com base nas respostas dos formandos ao questionário disponibilizado pela entidade formadora; Relatório do formador.

Bibliografia

- Revista dedicada ao Pensamento Computacional: Educação e Matemática, 162. - Veloso, E. (1998). Geometria: Temas Actuais: materiais para professores. Lisboa: IIE.. - Graça Martins, M. E. & Cerveira, A. (1998). Introdução às Probabilidades e à Estatística. Universidade Aberta. - Amado, N. & Carreira, S. (2019). Trabalho de Projeto. Obtido de: http://hdl.handle.net/10400.1/15482. - Teixeira, P., Precatado, A., Albuquerque, C., Antunes, C., & Nápoles, S. (1997). Funções - 10º ano. Lisboa: Ministério da Educação.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-10-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
2 16-10-2023 (Segunda-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
3 23-10-2023 (Segunda-feira) 16:30 - 19:00 2:30 Online síncrona
4 30-10-2023 (Segunda-feira) 16:30 - 19:00 2:30 Online síncrona
5 06-11-2023 (Segunda-feira) 16:30 - 19:00 2:30 Online síncrona
6 13-11-2023 (Segunda-feira) 16:30 - 19:00 2:30 Online síncrona
7 20-11-2023 (Segunda-feira) 16:30 - 19:00 2:30 Online síncrona
8 27-11-2023 (Segunda-feira) 14:00 - 16:30 2:30 Presencial
9 27-11-2023 (Segunda-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
10 30-11-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona


241

Ref. 149T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-09/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 07-10-2023

Fim: 07-10-2023

Regime: Presencial

Local: Conforme Programa do II Festival Literário de Gouveia

Formador

José António Videira Saro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Município de Gouveia

Enquadramento

A reflexão sobre as questões intrínsecas aos processos de escrita e a sua importânica para o sucesso pessoal e educativo, para a promoção de uma verdadeira literacia, para o combate ao analfabetismo funcional e para a abertura a novas formas de escrever e ver o mundo.

Objetivos

...

Conteúdos

10:00 às 11:20 – “Os ritmos da escrita” Mesa 1 / Maria Flor Pedroso / Cândida Pinto 11:30 às 13:00 – “Os ritmos da escrita” Mesa 2 Com Álvaro Laborinho Lúcio, Maria Inês Menezes e Ricardo Fonseca Santos 15:30 às 16:20 – “Os ritmos da escrita” Mesa 3 Com Afonso Cruz, Raquel Patriarca e Rui Couceiro 17:00 – 17:50 - “Os ritmos da escrita” - Mesa 4 Performance de palavra e música Com Tozé Brito Moderação: Renato Filipe Cardoso

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 07-10-2023 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 07-10-2023 (Sábado) 15:30 - 18:30 3:00 Presencial

Ref. 148T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-08/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 06-10-2023

Fim: 06-10-2023

Regime: Presencial

Local: Conforme Programa do II Festival Literário de Gouveia

Formador

José António Videira Saro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Município de Gouveia

Enquadramento

A reflexão sobre as questões intrínsecas aos processos de escrita e a sua importância para o sucesso pessoal e educativo, para a promoção de uma verdadeira literacia, para o combate ao analfabetismo funcional e para a abertura a novas formas de escrever e ver o mundo.

Objetivos

...

Conteúdos

14h00 às 16h30 - “Desenhos de escrita” (oficina) (2,5 horas) Raquel Patriarca e José Saro 17:00 às 19:00 Mediação de leitura para pré-leitores (oficina) Ana Rita Domingos Isabel Peixeiro) (2,5 horas) 21h00 às 22h00 – Espetáculo “Entre nós e as Palavras” de Pedro Lamares (1 hora)

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora.

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-10-2023 (Sexta-feira) 14:00 - 19:00 5:00 Presencial
2 06-10-2023 (Sexta-feira) 21:00 - 22:00 1:00 Presencial

Ref. 147T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-07/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 05-10-2023

Fim: 05-10-2023

Regime: Presencial

Local: Conforme Programa do II Festival Literário de Gouveia

Formador

José António Videira Saro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Município de Gouveia

Enquadramento

Reflexão sobre as questões intrínsecas aos processos de escrita e a sua importância para o sucesso pessoal e educativo, para a promoção de uma verdadeira literacia, para o combate ao analfabetismo funcional e para a abertura a novas formas de escrever e ver o mundo.

Objetivos

..

Conteúdos

Visita Guiada à Exposição “Os traços da Guerra”. Tertúlia sobre o documentário “Eduardo Lourenço - O Labirinto da Saudade” – José Carlos Vasconcelos

Metodologias

...

Avaliação

...

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora. Relatório da entidade formadora

Bibliografia

...


Observações

...

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-10-2023 (Quinta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

Ref. 125C6T5 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-10-2023

Fim: 22-11-2023

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 11-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 18-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 25-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 02-11-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 08-11-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 15-11-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 22-11-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


235

Ref. 142C7T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116280/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 03-10-2023

Fim: 28-11-2023

Regime: b-learning

Local: Escola EB 2,3 Dr. G.C.C. - Seia (3 sessões presenciais)

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial e do grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial e do grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial e do grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

DGE em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias. No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Modelo

- Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; - Relatório do(s) formador(es); - Relatória da entidade formadora.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022. Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022. Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022. UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 03-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 10-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 17-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 24-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 31-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 07-11-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 14-11-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 28-11-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial


236

Ref. 143C9T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118038/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 03-10-2023

Fim: 30-11-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (4 sessões presenciais)

Formador

Joana Isabel de Paulo Duarte

Destinatários

Professores do Grupo de Recrutamento 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo de Recrutamento 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo de Recrutamento 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

DGE em parceria com o Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática B e Matemática do Ensino Profissional) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2024/2025, no que respeita ao 10.º ano de escolaridade; b) 2025/2026, no que respeita ao 11.º ano de escolaridade; c) 2026/2027, no que respeita ao 12.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 500, para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Secundário procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática A), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática A), as suas finalidades e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática A); - Ser capazes de refletir sobre os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o Ensino Secundário (Matemática A).

Conteúdos

- Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Secundário expressas nas novas AE - Ideias inovadoras do Currículo: o Matemática para a Cidadania; o Pensamento Computacional; o Diversificação de temas no currículo; o Matemática para todos. - Ideias-Chave das Aprendizagens Essenciais: o Resolução de problemas, modelação e conexões o Raciocínio dedutivo e lógica matemática o Recurso sistemático à tecnologia o Tarefas e recursos educativos o Práticas enriquecedoras e criatividade o Organização do trabalho dos alunos o Comunicação matemática o Avaliação para a aprendizagem - Operacionalização das Aprendizagens Essenciais. - Exploração de ideias e conceitos, integrando a tecnologia como alavanca para a compreensão e resolução de problemas: o Abordagem exploratória de ideias e conceitos matemáticos; o Integração da tecnologia na experimentação, visualização, representação, simulação, interatividade, bem como no cálculo numérico e simbólico; o Recurso à folha de cálculo, a ambientes de geometria dinâmica, a aplicativos digitais diversos, a simulações, a smartphones, à calculadora gráfica e aos sensores, bem como a outros equipamentos e materiais; o Desenvolvimento do pensamento computacional com recurso a atividades de programação integradas na resolução de problemas. - Preparação, apresentação e discussão dos trabalhos e avaliação do curso de formação.

Metodologias

A oficina terá sessões centradas na análise e apropriação dos documentos curriculares, nomeadamente nas orientações curriculares, nas ideias inovadoras, nas ideias-chave e na exploração de conceitos integrando a tecnologia como alavanca para a compreensão e resolução de problemas. No final da oficina os formandos realizarão a preparação, apresentação e discussão dos trabalhos realizados, que deverão enfatizar a reflexão sobre o seu papel na implementação do currículo. Nesta altura também será realizada a avaliação da oficina. Durante a formação o trabalho deve contemplar a complementaridade entre momentos de trabalho em pequenos grupos e apresentações e discussões no grande grupo. De forma intercalada será desenvolvido trabalho autónomo pelos formandos, com a leitura das AE e de textos disponibilizados, com a planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões síncronas, a elaboração e reflexão sobre tarefas para os alunos, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório da entidade formadora com base nas respostas dos formandos ao questionário disponibilizado pela entidade formadora; Relatório do formador da ação.

Bibliografia

- Revista dedicada ao Pensamento Computacional: Educação e Matemática, 162; - Veloso, E. (1998). Geometria: Temas Actuais: materiais para professores. Lisboa: IIE.; - Graça Martins, M. E. & Cerveira, A. (1998). Introdução às Probabilidades e à Estatística. Universidade Aberta.; - Amado, N. & Carreira, S. (2019). Trabalho de Projeto. Obtido de: http://hdl.handle.net/10400.1/15482; - Teixeira, P., Precatado, A., Albuquerque, C., Antunes, C., & Nápoles, S. (1997). Funções - 10º ano. Lisboa: Ministério da Educação.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 03-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
2 10-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
3 17-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 24-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
5 31-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
6 03-11-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
7 07-11-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
8 14-11-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
9 21-11-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
10 30-11-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona


240

Ref. 141T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-06/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 13-09-2023

Fim: 13-09-2023

Regime: Presencial

Local: Salão das Magnólias (Seia)

Formador

Teresa Maria de Sousa Pereira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Dr. Guilherme Correia de Carvalho (Seia)

Enquadramento

Com esta ação de curta duração pretende-se efetuar a disseminação da mobilidade realizada em Dublin, apresentando a metodologia da aprendizagem através do meio, valorizando a riqueza do património local e cultural. Numa região cada vez mais multicultural torna-se fundamental a reflexão sobre a integração de quem chega pela primeira vez, desenvolvendo a consciência da dimensão europeia na educação e criando pontos comuns entre as culturas. Explorar o meio torna-se um recurso privilegiado para essa integração, podendo a língua inglesa ser um dos veículos de comunicação mais agregador.

Objetivos

○ disseminar o curso realizado em Dublin (Activate your English for Teaching (B1+, B2); ○ reconhecer a importância da utilização da língua inglesa como promotora da articulação interdisciplinar; ○ proporcionar a vivência, em contexto real, de algumas metodologias ativas utilizando o inglês.

Conteúdos

○ breve enquadramento geral do Programa Erasmus+; ○ partilha da metodologia “Contexts 4 Content”, como meio de motivar os alunos a procurar o conhecimento na comunidade; ○ o património local como recurso para potenciar a aprendizagem; ○ partilha de recursos da mobilidade; ○ projeto de aprendizagem no terreno - Treasure Hunt (À descoberta de Seia).

Metodologias

..

Avaliação

..

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora.

Bibliografia

..


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-09-2023 (Quarta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial

Ref. 139T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120377/23

Modalidade: Curso de formação - Colóquios; congressos; simpósios; jornadas ou iniciativas congéneres

Duração: 12.0 horas

Início: 08-09-2023

Fim: 09-09-2023

Regime: Presencial

Local: Casa Municipal da Cultura de Seia

Formador

Isabel Cristina Rodrigues dos Santos Albuquerque

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Rede de Bibliotecas Escolares e Municipal de Seia (RBEMS)

Enquadramento

A leitura assume um papel relevante no que concerne às preocupações dos docentes e órgãos de poder central. O seu domínio com mestria é indispensável quer aos alunos quer ao cidadão em geral. As mudanças trazidas pelos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas, pela autonomia e flexibilidade curriculares, assim como as disposições dos Decretos Lei n.º 55/2018 de 6 de julho e n.º 54/2018 de 6 de julho e a recuperação das aprendizagens com a Escola+ 21|23, reforçam uma nova dimensão às funções tradicionais das bibliotecas, exigindo dos professores bibliotecários e das equipas das bibliotecas escolares/públicas um trabalho acrescido na gestão da informação e formação dos utilizadores. O objetivo da formação é o de fornecer aos docentes perspetivas atuais do conhecimento sobre as questões da leitura e da literacia, numa sociedade em que a leitura e o paradigma digital estão cada vez mais interligados.

Objetivos

- Enquadrar a ação no trabalho concelhio desenvolvido pela Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais de Seia(RBEMS). - Partilhar “boas práticas” da RBEMS. - Reforçar o papel da Biblioteca Escolar no apoio ao Plano de Ação Estratégico para Promoção do Sucesso Escolar e dosPlanos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas. - Refletir sobre o papel das bibliotecas escolares como espaços inovadores de aprendizagem e formação no domínio daleitura, das literacias e infraestruturas básicas de apoio ao currículo. - Responder aos desafios e exigências colocados à escola e ao ensino pela sociedade do conhecimento, relacionando-oscom a emergência de novas literacias. - Refletir sobre a flexibilidade curricular como metodologia de ensino-aprendizagem, numa perspetiva de gestão flexível e contextualizada do currículo em sala de aula, num pleno exercício de autonomia. - Pensar a Educação Inclusiva e as mudanças, a nível organizacional e do próprio processo educativo.

Conteúdos

● Painéis (decorrerão em sala, em grande grupo, em dois dias distintos) ● Workshops (decorrerão em simultâneo, tendo cada formando de frequentar, obrigatoriamente, os 4 workshopsdisponibilizados). Painéis ▪ Abertura formal da ação de formação: - Apresentação dos objetivos, das metodologias, dos instrumentos e critérios de avaliação. Painel 1 (1 hora): As Bibliotecas Escolares em linha e na linha. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Manuela Silva, Isabel Cristina e Liliana Melo Painel 2 (1hora): Novos desafios, novas inteligências. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Luís Varela e Ulisses Mota Painel 3 (1 hora): Musical Lectio Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Teresinha Galhano Painel 4 (1hora): Onlife.com@BEMM | Media e Informação Experiência Educativa Vencedora do "Desafio de Educação para os Media" | 2023 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Rui Abreu e Graça Silva Painel 5 (1 hora): A cor do limão - promoção da leitura Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: ANDANTE associação artística Workshops simultâneos (1,45 horas x 4 = 7 horas) Workshop 1 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Ulisses Mota Workshop 2 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Luís Varela Workshop 3 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Susana Silvestre Workshop 4 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Pedro Freitas Sessão de encerramento

Metodologias

As Jornadas irão decorrer na modalidade de “curso de formação”, estruturadas em painéis e workshops, perfazendo umtotal de 12 horas de formação. Haverá sessões essencialmente teóricas e reflexivas (painéis) centradas na apresentação e discussão de temasrelacionados com a leitura e a literacia, a aprendizagem das mesmas e as dificuldades que possam surgir no percurso. As restantes sessões decorrerão num formato de workshop, com a apresentação de diversos temas onde serãoanalisados, discutidos e experienciados dispositivos de intervenção que permitam abordagens informadas na procura desoluções para os problemas e constrangimentos da aprendizagem da leitura e da promoção da leitura e literacia. As sessões terão um conjunto de formadores, devidamente acreditados, que assegurarão o cumprimento de todos osprocessos necessários à avaliação. Estas Jornadas estarão abertas à participação de docentes que poderão não desejar a acreditação, ficando apenas comum certificado de presença.

Avaliação

Para além do cumprimento das determinações legais, a avaliação dos formandos terá por base a qualidade e adequação dos materiais pedagógicos produzidos, sendo formalizada numa escala de classificação quantitativa de 1 a 10 valores de acordo com a regulamentação em vigor (Cartas Circulares do CCPFC e Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio), no cumprimento das determinações legais.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório dos formadores; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Aprender com abiblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/AprendercBE.html PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: A Biblioteca Escolarno Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital da Escola [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/635/padde_be.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Biblioteca Escolar etrabalho colaborativo [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/677/bibliotecarbe6.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Estratégia: aalavanca da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/678/bibliotecarbe7.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Fazer leitores naera digital: o contributo da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/679/bibliotecarbe8.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-09-2023 (Sexta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 08-09-2023 (Sexta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
3 09-09-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 09-09-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 139T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120377/23

Modalidade: Curso de formação - Colóquios; congressos; simpósios; jornadas ou iniciativas congéneres

Duração: 12.0 horas

Início: 08-09-2023

Fim: 09-09-2023

Regime: Presencial

Local: Casa Municipal da Cultura de Seia

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Rede de Bibliotecas Escolares e Municipal de Seia (RBEMS)

Enquadramento

A leitura assume um papel relevante no que concerne às preocupações dos docentes e órgãos de poder central. O seu domínio com mestria é indispensável quer aos alunos quer ao cidadão em geral. As mudanças trazidas pelos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas, pela autonomia e flexibilidade curriculares, assim como as disposições dos Decretos Lei n.º 55/2018 de 6 de julho e n.º 54/2018 de 6 de julho e a recuperação das aprendizagens com a Escola+ 21|23, reforçam uma nova dimensão às funções tradicionais das bibliotecas, exigindo dos professores bibliotecários e das equipas das bibliotecas escolares/públicas um trabalho acrescido na gestão da informação e formação dos utilizadores. O objetivo da formação é o de fornecer aos docentes perspetivas atuais do conhecimento sobre as questões da leitura e da literacia, numa sociedade em que a leitura e o paradigma digital estão cada vez mais interligados.

Objetivos

- Enquadrar a ação no trabalho concelhio desenvolvido pela Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais de Seia(RBEMS). - Partilhar “boas práticas” da RBEMS. - Reforçar o papel da Biblioteca Escolar no apoio ao Plano de Ação Estratégico para Promoção do Sucesso Escolar e dosPlanos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas. - Refletir sobre o papel das bibliotecas escolares como espaços inovadores de aprendizagem e formação no domínio daleitura, das literacias e infraestruturas básicas de apoio ao currículo. - Responder aos desafios e exigências colocados à escola e ao ensino pela sociedade do conhecimento, relacionando-oscom a emergência de novas literacias. - Refletir sobre a flexibilidade curricular como metodologia de ensino-aprendizagem, numa perspetiva de gestão flexível e contextualizada do currículo em sala de aula, num pleno exercício de autonomia. - Pensar a Educação Inclusiva e as mudanças, a nível organizacional e do próprio processo educativo.

Conteúdos

● Painéis (decorrerão em sala, em grande grupo, em dois dias distintos) ● Workshops (decorrerão em simultâneo, tendo cada formando de frequentar, obrigatoriamente, os 4 workshopsdisponibilizados). Painéis ▪ Abertura formal da ação de formação: - Apresentação dos objetivos, das metodologias, dos instrumentos e critérios de avaliação. Painel 1 (1 hora): As Bibliotecas Escolares em linha e na linha. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Manuela Silva, Isabel Cristina e Liliana Melo Painel 2 (1hora): Novos desafios, novas inteligências. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Luís Varela e Ulisses Mota Painel 3 (1 hora): Musical Lectio Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Teresinha Galhano Painel 4 (1hora): Onlife.com@BEMM | Media e Informação Experiência Educativa Vencedora do "Desafio de Educação para os Media" | 2023 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Rui Abreu e Graça Silva Painel 5 (1 hora): A cor do limão - promoção da leitura Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: ANDANTE associação artística Workshops simultâneos (1,45 horas x 4 = 7 horas) Workshop 1 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Ulisses Mota Workshop 2 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Luís Varela Workshop 3 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Susana Silvestre Workshop 4 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Pedro Freitas Sessão de encerramento

Metodologias

As Jornadas irão decorrer na modalidade de “curso de formação”, estruturadas em painéis e workshops, perfazendo umtotal de 12 horas de formação. Haverá sessões essencialmente teóricas e reflexivas (painéis) centradas na apresentação e discussão de temasrelacionados com a leitura e a literacia, a aprendizagem das mesmas e as dificuldades que possam surgir no percurso. As restantes sessões decorrerão num formato de workshop, com a apresentação de diversos temas onde serãoanalisados, discutidos e experienciados dispositivos de intervenção que permitam abordagens informadas na procura desoluções para os problemas e constrangimentos da aprendizagem da leitura e da promoção da leitura e literacia. As sessões terão um conjunto de formadores, devidamente acreditados, que assegurarão o cumprimento de todos osprocessos necessários à avaliação. Estas Jornadas estarão abertas à participação de docentes que poderão não desejar a acreditação, ficando apenas comum certificado de presença.

Avaliação

Para além do cumprimento das determinações legais, a avaliação dos formandos terá por base a qualidade e adequação dos materiais pedagógicos produzidos, sendo formalizada numa escala de classificação quantitativa de 1 a 10 valores de acordo com a regulamentação em vigor (Cartas Circulares do CCPFC e Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio), no cumprimento das determinações legais.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório dos formadores; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Aprender com abiblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/AprendercBE.html PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: A Biblioteca Escolarno Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital da Escola [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/635/padde_be.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Biblioteca Escolar etrabalho colaborativo [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/677/bibliotecarbe6.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Estratégia: aalavanca da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/678/bibliotecarbe7.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Fazer leitores naera digital: o contributo da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/679/bibliotecarbe8.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-09-2023 (Sexta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 08-09-2023 (Sexta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
3 09-09-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 09-09-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 139T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120377/23

Modalidade: Curso de formação - Colóquios; congressos; simpósios; jornadas ou iniciativas congéneres

Duração: 12.0 horas

Início: 08-09-2023

Fim: 09-09-2023

Regime: Presencial

Local: Casa Municipal da Cultura de Seia

Formador

Maria Alcina Rodrigues Correia

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Rede de Bibliotecas Escolares e Municipal de Seia (RBEMS)

Enquadramento

A leitura assume um papel relevante no que concerne às preocupações dos docentes e órgãos de poder central. O seu domínio com mestria é indispensável quer aos alunos quer ao cidadão em geral. As mudanças trazidas pelos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas, pela autonomia e flexibilidade curriculares, assim como as disposições dos Decretos Lei n.º 55/2018 de 6 de julho e n.º 54/2018 de 6 de julho e a recuperação das aprendizagens com a Escola+ 21|23, reforçam uma nova dimensão às funções tradicionais das bibliotecas, exigindo dos professores bibliotecários e das equipas das bibliotecas escolares/públicas um trabalho acrescido na gestão da informação e formação dos utilizadores. O objetivo da formação é o de fornecer aos docentes perspetivas atuais do conhecimento sobre as questões da leitura e da literacia, numa sociedade em que a leitura e o paradigma digital estão cada vez mais interligados.

Objetivos

- Enquadrar a ação no trabalho concelhio desenvolvido pela Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais de Seia(RBEMS). - Partilhar “boas práticas” da RBEMS. - Reforçar o papel da Biblioteca Escolar no apoio ao Plano de Ação Estratégico para Promoção do Sucesso Escolar e dosPlanos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas. - Refletir sobre o papel das bibliotecas escolares como espaços inovadores de aprendizagem e formação no domínio daleitura, das literacias e infraestruturas básicas de apoio ao currículo. - Responder aos desafios e exigências colocados à escola e ao ensino pela sociedade do conhecimento, relacionando-oscom a emergência de novas literacias. - Refletir sobre a flexibilidade curricular como metodologia de ensino-aprendizagem, numa perspetiva de gestão flexível e contextualizada do currículo em sala de aula, num pleno exercício de autonomia. - Pensar a Educação Inclusiva e as mudanças, a nível organizacional e do próprio processo educativo.

Conteúdos

● Painéis (decorrerão em sala, em grande grupo, em dois dias distintos) ● Workshops (decorrerão em simultâneo, tendo cada formando de frequentar, obrigatoriamente, os 4 workshopsdisponibilizados). Painéis ▪ Abertura formal da ação de formação: - Apresentação dos objetivos, das metodologias, dos instrumentos e critérios de avaliação. Painel 1 (1 hora): As Bibliotecas Escolares em linha e na linha. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Manuela Silva, Isabel Cristina e Liliana Melo Painel 2 (1hora): Novos desafios, novas inteligências. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Luís Varela e Ulisses Mota Painel 3 (1 hora): Musical Lectio Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Teresinha Galhano Painel 4 (1hora): Onlife.com@BEMM | Media e Informação Experiência Educativa Vencedora do "Desafio de Educação para os Media" | 2023 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Rui Abreu e Graça Silva Painel 5 (1 hora): A cor do limão - promoção da leitura Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: ANDANTE associação artística Workshops simultâneos (1,45 horas x 4 = 7 horas) Workshop 1 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Ulisses Mota Workshop 2 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Luís Varela Workshop 3 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Susana Silvestre Workshop 4 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Pedro Freitas Sessão de encerramento

Metodologias

As Jornadas irão decorrer na modalidade de “curso de formação”, estruturadas em painéis e workshops, perfazendo umtotal de 12 horas de formação. Haverá sessões essencialmente teóricas e reflexivas (painéis) centradas na apresentação e discussão de temasrelacionados com a leitura e a literacia, a aprendizagem das mesmas e as dificuldades que possam surgir no percurso. As restantes sessões decorrerão num formato de workshop, com a apresentação de diversos temas onde serãoanalisados, discutidos e experienciados dispositivos de intervenção que permitam abordagens informadas na procura desoluções para os problemas e constrangimentos da aprendizagem da leitura e da promoção da leitura e literacia. As sessões terão um conjunto de formadores, devidamente acreditados, que assegurarão o cumprimento de todos osprocessos necessários à avaliação. Estas Jornadas estarão abertas à participação de docentes que poderão não desejar a acreditação, ficando apenas comum certificado de presença.

Avaliação

Para além do cumprimento das determinações legais, a avaliação dos formandos terá por base a qualidade e adequação dos materiais pedagógicos produzidos, sendo formalizada numa escala de classificação quantitativa de 1 a 10 valores de acordo com a regulamentação em vigor (Cartas Circulares do CCPFC e Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio), no cumprimento das determinações legais.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório dos formadores; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Aprender com abiblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/AprendercBE.html PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: A Biblioteca Escolarno Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital da Escola [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/635/padde_be.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Biblioteca Escolar etrabalho colaborativo [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/677/bibliotecarbe6.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Estratégia: aalavanca da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/678/bibliotecarbe7.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Fazer leitores naera digital: o contributo da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/679/bibliotecarbe8.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-09-2023 (Sexta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 08-09-2023 (Sexta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
3 09-09-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 09-09-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 139T4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120377/23

Modalidade: Curso de formação - Colóquios; congressos; simpósios; jornadas ou iniciativas congéneres

Duração: 12.0 horas

Início: 08-09-2023

Fim: 09-09-2023

Regime: Presencial

Local: Casa Municipal da Cultura de Seia

Formador

Paixão dos Santos Pinto

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. De acordo com o artigo 15.º da Portaria n.º 192-A/2015, de 29 de junho, esta ação de formação releva para a progressão da carreira dos professores bibliotecários, incluindo-se na dimensão científica e pedagógica.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Rede de Bibliotecas Escolares e Municipal de Seia (RBEMS)

Enquadramento

A leitura assume um papel relevante no que concerne às preocupações dos docentes e órgãos de poder central. O seu domínio com mestria é indispensável quer aos alunos quer ao cidadão em geral. As mudanças trazidas pelos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas, pela autonomia e flexibilidade curriculares, assim como as disposições dos Decretos Lei n.º 55/2018 de 6 de julho e n.º 54/2018 de 6 de julho e a recuperação das aprendizagens com a Escola+ 21|23, reforçam uma nova dimensão às funções tradicionais das bibliotecas, exigindo dos professores bibliotecários e das equipas das bibliotecas escolares/públicas um trabalho acrescido na gestão da informação e formação dos utilizadores. O objetivo da formação é o de fornecer aos docentes perspetivas atuais do conhecimento sobre as questões da leitura e da literacia, numa sociedade em que a leitura e o paradigma digital estão cada vez mais interligados.

Objetivos

- Enquadrar a ação no trabalho concelhio desenvolvido pela Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais de Seia(RBEMS). - Partilhar “boas práticas” da RBEMS. - Reforçar o papel da Biblioteca Escolar no apoio ao Plano de Ação Estratégico para Promoção do Sucesso Escolar e dosPlanos de Ação de Desenvolvimento Digital das Escolas. - Refletir sobre o papel das bibliotecas escolares como espaços inovadores de aprendizagem e formação no domínio daleitura, das literacias e infraestruturas básicas de apoio ao currículo. - Responder aos desafios e exigências colocados à escola e ao ensino pela sociedade do conhecimento, relacionando-oscom a emergência de novas literacias. - Refletir sobre a flexibilidade curricular como metodologia de ensino-aprendizagem, numa perspetiva de gestão flexível e contextualizada do currículo em sala de aula, num pleno exercício de autonomia. - Pensar a Educação Inclusiva e as mudanças, a nível organizacional e do próprio processo educativo.

Conteúdos

● Painéis (decorrerão em sala, em grande grupo, em dois dias distintos) ● Workshops (decorrerão em simultâneo, tendo cada formando de frequentar, obrigatoriamente, os 4 workshopsdisponibilizados). Painéis ▪ Abertura formal da ação de formação: - Apresentação dos objetivos, das metodologias, dos instrumentos e critérios de avaliação. Painel 1 (1 hora): As Bibliotecas Escolares em linha e na linha. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Manuela Silva, Isabel Cristina e Liliana Melo Painel 2 (1hora): Novos desafios, novas inteligências. Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Luís Varela e Ulisses Mota Painel 3 (1 hora): Musical Lectio Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Teresinha Galhano Painel 4 (1hora): Onlife.com@BEMM | Media e Informação Experiência Educativa Vencedora do "Desafio de Educação para os Media" | 2023 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizadores: Rui Abreu e Graça Silva Painel 5 (1 hora): A cor do limão - promoção da leitura Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: ANDANTE associação artística Workshops simultâneos (1,45 horas x 4 = 7 horas) Workshop 1 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Ulisses Mota Workshop 2 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Luís Varela Workshop 3 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Susana Silvestre Workshop 4 Formador responsável: Formadores acreditados pelo CCPFC Dinamizador: Pedro Freitas Sessão de encerramento

Metodologias

As Jornadas irão decorrer na modalidade de “curso de formação”, estruturadas em painéis e workshops, perfazendo umtotal de 12 horas de formação. Haverá sessões essencialmente teóricas e reflexivas (painéis) centradas na apresentação e discussão de temasrelacionados com a leitura e a literacia, a aprendizagem das mesmas e as dificuldades que possam surgir no percurso. As restantes sessões decorrerão num formato de workshop, com a apresentação de diversos temas onde serãoanalisados, discutidos e experienciados dispositivos de intervenção que permitam abordagens informadas na procura desoluções para os problemas e constrangimentos da aprendizagem da leitura e da promoção da leitura e literacia. As sessões terão um conjunto de formadores, devidamente acreditados, que assegurarão o cumprimento de todos osprocessos necessários à avaliação. Estas Jornadas estarão abertas à participação de docentes que poderão não desejar a acreditação, ficando apenas comum certificado de presença.

Avaliação

Para além do cumprimento das determinações legais, a avaliação dos formandos terá por base a qualidade e adequação dos materiais pedagógicos produzidos, sendo formalizada numa escala de classificação quantitativa de 1 a 10 valores de acordo com a regulamentação em vigor (Cartas Circulares do CCPFC e Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio), no cumprimento das determinações legais.

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; Relatório dos formadores; Relatório da entidade formadora.

Bibliografia

PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Aprender com abiblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/AprendercBE.html PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: A Biblioteca Escolarno Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital da Escola [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/635/padde_be.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Biblioteca Escolar etrabalho colaborativo [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.28-01-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/677/bibliotecarbe6.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Estratégia: aalavanca da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/678/bibliotecarbe7.pdf PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Fazer leitores naera digital: o contributo da biblioteca escolar [Em linha]. Lisboa: RBE, [Consult.05-02-2023] Disponível em:https://www.rbe.mec.pt/np4/file/679/bibliotecarbe8.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-09-2023 (Sexta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 08-09-2023 (Sexta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial
3 09-09-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
4 09-09-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 140T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119868/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 11-07-2023

Fim: 13-07-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária de Gouveia

Formador

Maria de Fátima Borges Pinto de Albuquerque

Destinatários

Docentes dos Grupos 530, 540 e 550

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Docentes dos Grupos 530, 540 e 550. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Docentes dos Grupos 530, 540 e 550.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1 / Agrupamento de Escolas de Gouveia

Enquadramento

A necessidade de formação dos professores dos grupos de docência 530/540/550, que lecionam as áreas da eletrotecnia e automação, tem sido considerada como prioritária pelasescolas associadas com uma forte vertente profissional, em colaboração com entidades parceiras, no caso a Schneider Electric. Atualização, aprofundamento de conteúdos relacionadoscom as tecnologias da automação, onde a programação e o diagnóstico, é referido pelos professores nas necessidades de formação contínua. A relevância da cultura de partilha de saberes, experiências e recursos encarada no seu papel formativo e de ação construtiva e integradora da escola na sociedade, estabelecendo relação com o mundo empresarial, proporcionando o investimento em projetos educativos relacionados com a poupança energética e de preservação do ambiente.

Objetivos

Atualizar e aprofundar conhecimentos na área da automação inserida nos sistemas automatizados evoluídos. Saber identificar as diferentes tecnologias dos sistemas automatizados sabendo escolher o que melhor se adapta a uma instalação. Escolher, instalar, programar e utilizar uma instalação com PLC´s. Conhecer as linguagens de programação IEC 61131. Conhecer as características dos produtos e softwares existentes. Desenvolver competências que permitam escolher a melhor solução para uma instalação.

Conteúdos

• Apresentação da ação (1H) • Apresentação de uma arquitetura automatizada para arquiteturas topo de gama (2 H) • Apresentação da gama de PLC´s disponíveis no mercado (2 H) • Apresentação do software Control Expert e dos PLC´s M340/M580/Premium e Quantum • Ferramentas de programação e diagnóstico • As linguagens de programação: segundo a norma IEC 61131 • Realização de exercícios e respetiva simulação • Simulação e transferências das aplicações para o PLC • As ofertas disponíveis de comunicação • Apresentação, discussão e partilha de projetos de aplicação pelos formandos (4H)

Metodologias

A metodologia utilizada acenta sobre o modo expositivo, demonstrativo, interrogativo e prático. Os equipamentos necessários à exposição dos conteúdos, experimentação, realização de exercícios e trabalhos e de equipamentos informáticos utilizados, revelam-se perfeitamente atualizados e adequados à realização da mesma.

Avaliação

A avaliação dos formandos foca a participação nas sessões, bem como a realização de um trabalho e uma reflexão final em que abordem os conteúdos trabalhados e evidenciem aaplicação das temáticas abordadas. Os formandos serão avaliados de 0 a 10 valores, conforme Carta Circular n.º 3 de 2007, utilizando os parâmetros de avaliação estabelecidos pelos formadores e respeitando todos osdispositivos legais da avaliação contínua.

Bibliografia

António Francisco, Autómatos Programáveis. Editora Lidel Manuais Técnicos e documentação Schneider Electric Cad. Técnico nº 6 Schneider Electric “Grafcet” Cad. técnico nº7 Schneider Electric “Exemplos de programação” Modicon M221 Logic Controller Hardware Guide

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-07-2023 (Terça-feira) 08:30 - 12:30 4:00 Presencial
2 11-07-2023 (Terça-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
3 12-07-2023 (Quarta-feira) 08:30 - 12:30 4:00 Presencial
4 12-07-2023 (Quarta-feira) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
5 13-07-2023 (Quinta-feira) 08:30 - 12:30 4:00 Presencial
6 13-07-2023 (Quinta-feira) 14:00 - 19:00 5:00 Presencial

Ref. 138T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-05/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 05-07-2023

Fim: 05-07-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Superior de Turismo e Hotelaria - Seia

Formador

Maria José de Miranda Nazaré Loureiro

Susana Márcia da Graça Senos

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Seia e EDUCOM – Associação Portuguesa de Telemática Educativa

Enquadramento

O TIC@Portugal tem como objetivo refletir sobre as práticas do uso das TIC na Educação. Pretende ouvir os educadores e professores que no terreno usam as TIC, através da apresentação do seu trabalho, e convida especialistas a contribuírem com o que de mais recente se sabe neste domínio. É uma oportunidade para se divulgar e debater a utilização das TIC nos processos de ensino e de aprendizagem. O Encontro TIC@Portugal tem um carácter nacional e descentralizado, a levar a cabo em colaboração com os Centros de Competência TIC da ERTE/DGE do Ministério da Educação de todo o país que integram esta iniciativa da EDUCOM. O encontro de Seia é uma Coorganização entre os Centros de Competência TIC da Universidade de Aveiro e da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viseu, com o Agrupamento de Escolas de Seia e o CFAE Guarda-1, em colaboração com a Escola Superior de Turismo e Hotelaria do Instituto Politécnico da Guarda.

Objetivos

..

Conteúdos

- Conferência plenária subordinada ao tema “Da transição digital à inovação da educação nas escolas” - Comunicação de boas práticas evidenciando o trabalho que os professores e educadores realizam nas escolas - Workshops sobre práticas pedagógicas com recurso às tecnologias e/ou ao digital - Balanço do encontro e perspetivas para o futuro. Objetivo: Partilha de práticas pedagógicas com o digital e incentivar a mudança de práticas pedagógicas tornando-as mais atuais, indo ao encontro dos alunos. Programa disponível em: https://wordpress.educom.pt/TIC-Portugal-23/ticportugal23-2-3/

Metodologias

..

Avaliação

..

Modelo

Resposta pelos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora.

Bibliografia

..


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-07-2023 (Quarta-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 05-07-2023 (Quarta-feira) 15:15 - 18:15 3:00 Presencial

Ref. 137T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-04/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 13-05-2023

Fim: 13-05-2023

Regime: Presencial

Local: Centro Cultural de Celorico da Beira

Formador

Ana Patrícia Silva dos Santos

Destinatários

Educadores de Infância

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira em parceria com PNA, Câmara Municipal de Celorico da Beira e Teatro D. Maria II

Enquadramento

No sentido de desenvolver ferramentas de expressão dramática, estratégias de comunicação e a criatividade no trabalho com crianças, no contexto dos Jardins de infância, explora-se as potencialidades do livro como objeto contador, recorre-se à voz e ao corpo como veículos para contar histórias. Esta oficina pretende ainda introduzir, potenciar e aprofundar a experiência vivida pelas crianças, educadores e auxiliares enquanto espectadores do espetáculo “Falas Estranhês?”.

Objetivos

A Oficina para Educadores de Infância promove a ampliação e enriquecimento do trabalho das educadoras e educadores de infância e auxiliares de educação com as artes cénicas

Conteúdos

- O corpo, a voz, a relação com os objetos e com as palavras enquanto materiais a explorar na criação de uma leitura encenada; - Práticas de manipulação do livro, de movimento do corpo, de modulação da voz e de “degustação” das palavras.

Metodologias

..

Avaliação

..

Modelo

- Inquérito de satisfação; - Conversa de balanço

Bibliografia

..


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-05-2023 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 13-05-2023 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 128C7T6 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 24-04-2023

Fim: 12-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola EB 2,3 Dr. G.C.C. - Seia (3 sessões presenciais)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 24-04-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 08-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 22-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 29-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 05-06-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 12-06-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


212

Ref. 124C5T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119336/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 20-04-2023

Fim: 15-06-2023

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial, do grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial, do grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

Inclusão, equidade, cooperação, solidariedade, responsabilidade e interligação, são conceitos-chave que enformam as políticas e as práticas educativas. Assegurar o direito de todos à educação é garantir acesso, presença, participação e sucesso em processos educativos de qualidade. Os atores educativos, nomeadamente lideranças de topo e intermédias, são figuras essenciais na educação e na transformação social. Acolher e apoiar todos os alunos, independentemente das suas capacidades e exigências, são dois compromissos éticos e profissionais indiscutíveis. Uma escola inclusiva exige uma liderança eficaz, capaz de apoiar e promover o envolvimento de toda a comunidade escolar. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Identificar práticas de gestão e organização pedagógica, de topo e intermédias, à luz dos normativos/documentos de referência sobre políticas de inclusão Explorar fatores que se constituem como obstáculo à inclusão na escola e sociedade Consolidar uma perspetiva de abordagem integrada de práticas que concorrem para a inclusão Refletir sobre a relevância das aprendizagens informais, os meios de as incorporar na promoção de ambientes educativos favoráveis à participação de alunos na condução do processo educativo Promover estratégias de otimização da participação dos alunos na vida da escola Elencar mecanismos de promoção do envolvimento das famílias na criação de ambientes inclusivos Refletir sobre o papel das lideranças na criação de ambientes promotores de aprendizagens não-formais e informais consistentes com os objetivos da educação inclusiva Equacionar os termos da cooperação interinstitucional em ordem à inclusão Refletir sobre instrumentos de monitorização das práticas de inclusão

Conteúdos

1. Enquadramento teórico e normativo 1.1. Quadro conceptual Os direitos humanos e as políticas de inclusão. Justiça distributiva e éticas do cuidado. Tradução dos princípios de justiça em direitos e capacidades. O projeto Strength Through Diversity e a diversidade dos públicos na educação escolar: dimensões da diversidade; abordagens multinível da diversidade em educação. 1.2. Quadro normativo de referência Os Decretos-Leis nº 54/2018 de 6 de julho (na sua redação atual) e n.º 55/2018, de 6 de julho (e respetivas Portarias). O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Autonomia e responsabilidade dos decisores locais: interpretação dos normativos; as margens de autonomia potenciada pela portaria n.º 181/2019, de 11 de junho, na sua redação atual. Documentos curriculares e instrumentos de autonomia dos AE/ENA. 1.3. Dimensões organizacionais das políticas de inclusão – exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 1.1. e 1.2.] 2. Concretização das políticas de inclusão 2.1 As escolas e as práticas A inclusão em contexto: modelos educativos e conceções de cidadania e equidade. 2.2. Os agentes sociais das práticas de inclusão Pessoas, instituições, ambientes de aprendizagem. Cooperação interinstitucional em ordem à inclusão. 2.3. Os recursos para a inclusão A identificação e gestão dos recursos (humanos, materiais, institucionais) e a sua potencialização na promoção da escola inclusiva. 2.4. Contextos de interação socioeducativa na perspetiva da inclusão: a sala de aula e ‘o resto’ – exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 2.1., 2.2. e 2.3.] 3. Conhecer, partilhar, decidir 3.1. Conhecer e cooperar com as pessoas e as instituições 3.2. Conhecer, estimular e proteger as crianças e jovens: princípios, métodos, instrumentos 3.3. Conhecer para transformar: dos instrumentos de suporte à monitorização às modalidades de participação de professores, pais e alunos nos processos de decisão – exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 3.1. e 3.2.] 4. Avaliação Apresentação e discussão dos trabalhos/produtos finais dos formandos

Metodologias

Exploração dos temas propostos, com adequado suporte teórico. Reflexão, análise e discussão em grupo, com recurso a fontes documentais pertinentes. Debate em plenário. Elaboração individual de trabalho/produto final da ação, em função dos interesses dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

Cerna, L. et al. (2021) Promoting inclusive education for diverse societies: A conceptual framework. Disponível em: Promoting inclusive education for diverse societies : A conceptual framework | OECD Education Working Papers | OECD iLibrary (oecd-ilibrary.org) Eurydice (2020). A equidade na educação escolar na Europa (trad. Lisboa: DGEEC/Unidade portuguesa de Eurydice). Disponível em: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/517ee2ef-4404-11eb-b59f-01aa75ed71a1/language-pt European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2021). Inclusive School Leadership: A Tool for Self-Reflection on Policy and Practice. (M. Turner-Cmuchal, E. Óskarsdóttir and M. Bilgeri, eds.). Odense, Denmark. Disponível em: https://www.european-agency.org/sites/default/files/SISL_Self-Reflection_Tool.pdf Pereira, F. (Coord.). (2018). Para uma Educação Inclusiva. Manual de Apoio à Prática. Lisboa. Ministério da Educação. Direção-Geral da Educação. Disponível em: https://dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf UNESCO (2022). Reaching out to all learners: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO, IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-04-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
2 27-04-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
3 04-05-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
4 11-05-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
5 18-05-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
6 25-05-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
7 01-06-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 19:30 3:00 Online síncrona
8 15-06-2023 (Quinta-feira) 16:30 - 20:30 4:00 Online síncrona


226

Ref. 128C7T7 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 19-04-2023

Fim: 14-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Trancoso (3 sessões presenciais)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 24-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 31-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 14-06-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


213

Ref. 125C6T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 19-04-2023

Fim: 07-06-2023

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 24-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 31-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 07-06-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


228

Ref. 125C6T4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 19-04-2023

Fim: 07-06-2023

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 24-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 31-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 07-06-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


229

Ref. 125C6T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 18-04-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: e-learning

Local: On-line

Formador

Teresa de Jesus Dias Fernando

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 06-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


225

Ref. 125C6T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116281/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 18-04-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: e-learning

Local: on-line

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial e grupo de recrutamento 360.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível em https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 06-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


227

Ref. 136T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119357/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 11-03-2023

Fim: 31-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Seia e CISE (Seia)

Formador

Maria do Céu Nércio Marques

Destinatários

Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Seia em parceria com o CFAE Guarda-1

Enquadramento

O STE(A)M é um modelo de ensino focado em estimular a aprendizagem dos alunos em várias frentes(multidisciplinaridade), de modo muito mais abrangente e sem a segmentação comumente observada nas salas de aula. Além da multidisciplinaridade, o STE(A)M estimula a autonomia nos estudantes, proporciona maior facilidade na resolução de problemas e facilita uma integração cada vez mais eficiente com o mundo envolvente. Uma das vantagens da abordagem STE(A)M é a possibilidade de oferecer uma aprendizagem interdisciplinar. As áreas não são trabalhadas deforma isolada como acontece no modelo de ensino tradicional. Elas são associadas para que os alunos compreendam a sua relação e de que maneira esses diferentes campos do saber oferecem soluções para problemas e desafios do cotidiano. Isso garante a aquisição de conhecimentos de forma construtiva, consciente e reflexiva. Com ela, o aluno recebe feedbacks constantes, tanto dos colegas como dos professores, numa colaboração ativa e constante. Na educação STE(A)M o professor passa a atuar como mentor. Ele deixa de ser um expositor de conteúdos e passa a auxiliar e estimular os alunos a pensarem, refletirem e a procurarem respostas, alterando a dinâmica da sala de aula. Como muito da educação STE(A)M depende do corpo docente, é preciso preparar o professor para lidar com esse tipo de abordagem. Isso é o mais importante na implementação da metodologia e esperamos com esta ação contribuir para essa preparação no que se refere ao ensino das ciências, reconhecendo que o professor precisa conhecer a metodologia STE(A)M, a suadinâmica, os seus objetivos, o foco principal das aulas, o modo como os temas devem ser abordados, entre outras questões.

Objetivos

No intuito de promover abordagens inovadoras e integradas na educação das STE(A)M, com aplicações relevantes aonível do ensino/aprendizagem, com esta acção pretendem-se atingir os seguintes objectivos: - Conhecer a metodologia STE(A)M; - Aplicar na prática a metodologia STE(A)M; - Reconhecer a importância da metodologia STE(A)M no ensino das Ciências - Replicar boas práticas; - Criar uma bolsa de recursos aplicáveis em todos os ciclos de ensino; - Proporcionar uma melhoria na interação professor-aluno procurando melhorar as dinâmicas em sala de aula.

Conteúdos

Pretende-se uma adequada abordagem dos conteúdos que facilite a gestão quer do tempo quer das aprendizagens,permitindo a cada formando, ao seu ritmo, interiorizar e praticar metodologias adequadas aos seus alunos para que estesatinjam os objetivos das disciplinas leccionadas. Tendo em consideração os objetivos definidos, apresentam-se os seguintes conteúdos para esta ação de formação. 1. A METODOLOGIA STE(A)M 1.1. O QUE É A METODOLOGIA STE(A)M? 1.2. APLICAÇÃO PRÁTICA DA METODOLOGIA STE(A)M. 1.3. BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA STE(A)M. 2. IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA STEM NO ENSINO DAS CIÊNCIAS 2.1. O ENSINO DE CIÊNCIAS E UM CAMINHO, A ABORDAGEM STE(A)M 2.2. MUDANÇAS NA DIDÁTICA. 2.3. AULAS E ATIVIDADES STEM PARA A SALA DE AULA 2.4. CRIAÇÃO DE UMA BOLSA DE RECURSOS –ATIVIDADES STE(A)M 3. BOAS PRÁTICAS – TESTEMUNHOS E EXEMPLIFICAÇÃO DE REPLICAÇÕES

Metodologias

A ação desenvolver-se-á na modalidade de Curso de formação inserido nas “V Jornadas das Ciências e Tecnologias do AE de Seia” que decorrerão ao longo de 4 dias (2 em regime presencial e 2 em regime a distância). A ação será organizada em 10 sessões, 4 de natureza teórica e 6 de natureza teórico-prática. Pretende-se desenvolver momentos de debate, partilha de ideias e a reflexão crítica dos formandos. As sessões serão dinamizadas por formadores certificados para as didáticas específicas das áreas curriculares dos destinatários da ação que contarão com a colaboração de especialistas convidados que irão integrar/enriquecer os trabalhos de cada sessão. Os formadores desenvolverão um trabalho de articulação de saberes, considerado o trabalho interdisciplinar que ametodologia STE(A)M perspetiva, num esforço de trabalho colaborativo entre todos.

Avaliação

Escala de avaliação de 1 a 10 valores, de acordo com a Carta Circular CCPFC-3/2007. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de2/3 do total de horas da ação. A avaliação será baseada nos seguintes itens: • Participação - 40%. • Trabalho individual - 60%.- Elaboração de um texto crítico-reflexivo, refletindo uma abordagem global e integradora dos temas abordados durante as Jornadas, em que seja focado o seu impacto na prática pedagógica e/ou na formaçãopessoal. A avaliação do trabalho incidirá sobre o conteúdo e pertinência da análise, identificando ganhos pedagógicos; acoerência textual e a correção formal

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; relatório dos formadores da ação; relat´´orio da entidade formadora

Bibliografia

Afonso, N. (2005). Investigação naturalista em educação. Um guia prático e crítico. Lisboa: Edições ASA. Bell, D. (2016). The reality of STEM education, design and technology teachers’ perceptions:a phenomenographic study.International Journal of Technology and Design Education, 26, 61–79. https://link.springer.com/article/10.1007/s10798-015-9300-9 Breiner, J. M. et al. (2012). What Is STEM? A Discussion about Conceptions of STEM in Education and Partnerships. School Science and Mathematics,112(1), 3–11 Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P.(Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (pp.1–20). São Paulo, SP:Cengage Learning. Connor, A.M., Karmonar, S., & Whittington, C. (2015). From STEM to STEAM: Strategies for enhancing engineering &technology education. International Journal of Engineering Pedagogies, 5(2), 37-47.http://dx.doi.org/10.3991/ijep.v5i2.4458.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 11-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
3 15-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 18-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
6 21-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 24-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona
8 31-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona

Ref. 136T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119357/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 11-03-2023

Fim: 31-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Seia e CISE (Seia)

Formador

José Adelino Rocha de Ascensão

José Carlos Veiga do Nascimento

António Silvestre Dias Braga

Destinatários

Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Seia em parceria com o CFAE Guarda-1

Enquadramento

O STE(A)M é um modelo de ensino focado em estimular a aprendizagem dos alunos em várias frentes(multidisciplinaridade), de modo muito mais abrangente e sem a segmentação comumente observada nas salas de aula. Além da multidisciplinaridade, o STE(A)M estimula a autonomia nos estudantes, proporciona maior facilidade na resolução de problemas e facilita uma integração cada vez mais eficiente com o mundo envolvente. Uma das vantagens da abordagem STE(A)M é a possibilidade de oferecer uma aprendizagem interdisciplinar. As áreas não são trabalhadas deforma isolada como acontece no modelo de ensino tradicional. Elas são associadas para que os alunos compreendam a sua relação e de que maneira esses diferentes campos do saber oferecem soluções para problemas e desafios do cotidiano. Isso garante a aquisição de conhecimentos de forma construtiva, consciente e reflexiva. Com ela, o aluno recebe feedbacks constantes, tanto dos colegas como dos professores, numa colaboração ativa e constante. Na educação STE(A)M o professor passa a atuar como mentor. Ele deixa de ser um expositor de conteúdos e passa a auxiliar e estimular os alunos a pensarem, refletirem e a procurarem respostas, alterando a dinâmica da sala de aula. Como muito da educação STE(A)M depende do corpo docente, é preciso preparar o professor para lidar com esse tipo de abordagem. Isso é o mais importante na implementação da metodologia e esperamos com esta ação contribuir para essa preparação no que se refere ao ensino das ciências, reconhecendo que o professor precisa conhecer a metodologia STE(A)M, a suadinâmica, os seus objetivos, o foco principal das aulas, o modo como os temas devem ser abordados, entre outras questões.

Objetivos

No intuito de promover abordagens inovadoras e integradas na educação das STE(A)M, com aplicações relevantes aonível do ensino/aprendizagem, com esta acção pretendem-se atingir os seguintes objectivos: - Conhecer a metodologia STE(A)M; - Aplicar na prática a metodologia STE(A)M; - Reconhecer a importância da metodologia STE(A)M no ensino das Ciências - Replicar boas práticas; - Criar uma bolsa de recursos aplicáveis em todos os ciclos de ensino; - Proporcionar uma melhoria na interação professor-aluno procurando melhorar as dinâmicas em sala de aula.

Conteúdos

Pretende-se uma adequada abordagem dos conteúdos que facilite a gestão quer do tempo quer das aprendizagens,permitindo a cada formando, ao seu ritmo, interiorizar e praticar metodologias adequadas aos seus alunos para que estesatinjam os objetivos das disciplinas leccionadas. Tendo em consideração os objetivos definidos, apresentam-se os seguintes conteúdos para esta ação de formação. 1. A METODOLOGIA STE(A)M 1.1. O QUE É A METODOLOGIA STE(A)M? 1.2. APLICAÇÃO PRÁTICA DA METODOLOGIA STE(A)M. 1.3. BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA STE(A)M. 2. IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA STEM NO ENSINO DAS CIÊNCIAS 2.1. O ENSINO DE CIÊNCIAS E UM CAMINHO, A ABORDAGEM STE(A)M 2.2. MUDANÇAS NA DIDÁTICA. 2.3. AULAS E ATIVIDADES STEM PARA A SALA DE AULA 2.4. CRIAÇÃO DE UMA BOLSA DE RECURSOS –ATIVIDADES STE(A)M 3. BOAS PRÁTICAS – TESTEMUNHOS E EXEMPLIFICAÇÃO DE REPLICAÇÕES

Metodologias

A ação desenvolver-se-á na modalidade de Curso de formação inserido nas “V Jornadas das Ciências e Tecnologias do AE de Seia” que decorrerão ao longo de 4 dias (2 em regime presencial e 2 em regime a distância). A ação será organizada em 10 sessões, 4 de natureza teórica e 6 de natureza teórico-prática. Pretende-se desenvolver momentos de debate, partilha de ideias e a reflexão crítica dos formandos. As sessões serão dinamizadas por formadores certificados para as didáticas específicas das áreas curriculares dos destinatários da ação que contarão com a colaboração de especialistas convidados que irão integrar/enriquecer os trabalhos de cada sessão. Os formadores desenvolverão um trabalho de articulação de saberes, considerado o trabalho interdisciplinar que ametodologia STE(A)M perspetiva, num esforço de trabalho colaborativo entre todos.

Avaliação

Escala de avaliação de 1 a 10 valores, de acordo com a Carta Circular CCPFC-3/2007. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de2/3 do total de horas da ação. A avaliação será baseada nos seguintes itens: • Participação - 40%. • Trabalho individual - 60%.- Elaboração de um texto crítico-reflexivo, refletindo uma abordagem global e integradora dos temas abordados durante as Jornadas, em que seja focado o seu impacto na prática pedagógica e/ou na formaçãopessoal. A avaliação do trabalho incidirá sobre o conteúdo e pertinência da análise, identificando ganhos pedagógicos; acoerência textual e a correção formal

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; relatório dos formadores da ação; relat´´orio da entidade formadora

Bibliografia

Afonso, N. (2005). Investigação naturalista em educação. Um guia prático e crítico. Lisboa: Edições ASA. Bell, D. (2016). The reality of STEM education, design and technology teachers’ perceptions:a phenomenographic study.International Journal of Technology and Design Education, 26, 61–79. https://link.springer.com/article/10.1007/s10798-015-9300-9 Breiner, J. M. et al. (2012). What Is STEM? A Discussion about Conceptions of STEM in Education and Partnerships. School Science and Mathematics,112(1), 3–11 Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P.(Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (pp.1–20). São Paulo, SP:Cengage Learning. Connor, A.M., Karmonar, S., & Whittington, C. (2015). From STEM to STEAM: Strategies for enhancing engineering &technology education. International Journal of Engineering Pedagogies, 5(2), 37-47.http://dx.doi.org/10.3991/ijep.v5i2.4458.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 11-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
3 15-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 18-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
6 21-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 24-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona
8 31-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona

Ref. 136T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119357/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 11-03-2023

Fim: 31-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Seia e CISE (Seia)

Formador

Ilídia Maria Amaral Coelho

Destinatários

Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Seia em parceria com o CFAE Guarda-1

Enquadramento

O STE(A)M é um modelo de ensino focado em estimular a aprendizagem dos alunos em várias frentes(multidisciplinaridade), de modo muito mais abrangente e sem a segmentação comumente observada nas salas de aula. Além da multidisciplinaridade, o STE(A)M estimula a autonomia nos estudantes, proporciona maior facilidade na resolução de problemas e facilita uma integração cada vez mais eficiente com o mundo envolvente. Uma das vantagens da abordagem STE(A)M é a possibilidade de oferecer uma aprendizagem interdisciplinar. As áreas não são trabalhadas deforma isolada como acontece no modelo de ensino tradicional. Elas são associadas para que os alunos compreendam a sua relação e de que maneira esses diferentes campos do saber oferecem soluções para problemas e desafios do cotidiano. Isso garante a aquisição de conhecimentos de forma construtiva, consciente e reflexiva. Com ela, o aluno recebe feedbacks constantes, tanto dos colegas como dos professores, numa colaboração ativa e constante. Na educação STE(A)M o professor passa a atuar como mentor. Ele deixa de ser um expositor de conteúdos e passa a auxiliar e estimular os alunos a pensarem, refletirem e a procurarem respostas, alterando a dinâmica da sala de aula. Como muito da educação STE(A)M depende do corpo docente, é preciso preparar o professor para lidar com esse tipo de abordagem. Isso é o mais importante na implementação da metodologia e esperamos com esta ação contribuir para essa preparação no que se refere ao ensino das ciências, reconhecendo que o professor precisa conhecer a metodologia STE(A)M, a suadinâmica, os seus objetivos, o foco principal das aulas, o modo como os temas devem ser abordados, entre outras questões.

Objetivos

No intuito de promover abordagens inovadoras e integradas na educação das STE(A)M, com aplicações relevantes aonível do ensino/aprendizagem, com esta acção pretendem-se atingir os seguintes objectivos: - Conhecer a metodologia STE(A)M; - Aplicar na prática a metodologia STE(A)M; - Reconhecer a importância da metodologia STE(A)M no ensino das Ciências - Replicar boas práticas; - Criar uma bolsa de recursos aplicáveis em todos os ciclos de ensino; - Proporcionar uma melhoria na interação professor-aluno procurando melhorar as dinâmicas em sala de aula.

Conteúdos

Pretende-se uma adequada abordagem dos conteúdos que facilite a gestão quer do tempo quer das aprendizagens,permitindo a cada formando, ao seu ritmo, interiorizar e praticar metodologias adequadas aos seus alunos para que estesatinjam os objetivos das disciplinas leccionadas. Tendo em consideração os objetivos definidos, apresentam-se os seguintes conteúdos para esta ação de formação. 1. A METODOLOGIA STE(A)M 1.1. O QUE É A METODOLOGIA STE(A)M? 1.2. APLICAÇÃO PRÁTICA DA METODOLOGIA STE(A)M. 1.3. BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA STE(A)M. 2. IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA STEM NO ENSINO DAS CIÊNCIAS 2.1. O ENSINO DE CIÊNCIAS E UM CAMINHO, A ABORDAGEM STE(A)M 2.2. MUDANÇAS NA DIDÁTICA. 2.3. AULAS E ATIVIDADES STEM PARA A SALA DE AULA 2.4. CRIAÇÃO DE UMA BOLSA DE RECURSOS –ATIVIDADES STE(A)M 3. BOAS PRÁTICAS – TESTEMUNHOS E EXEMPLIFICAÇÃO DE REPLICAÇÕES

Metodologias

A ação desenvolver-se-á na modalidade de Curso de formação inserido nas “V Jornadas das Ciências e Tecnologias do AE de Seia” que decorrerão ao longo de 4 dias (2 em regime presencial e 2 em regime a distância). A ação será organizada em 10 sessões, 4 de natureza teórica e 6 de natureza teórico-prática. Pretende-se desenvolver momentos de debate, partilha de ideias e a reflexão crítica dos formandos. As sessões serão dinamizadas por formadores certificados para as didáticas específicas das áreas curriculares dos destinatários da ação que contarão com a colaboração de especialistas convidados que irão integrar/enriquecer os trabalhos de cada sessão. Os formadores desenvolverão um trabalho de articulação de saberes, considerado o trabalho interdisciplinar que ametodologia STE(A)M perspetiva, num esforço de trabalho colaborativo entre todos.

Avaliação

Escala de avaliação de 1 a 10 valores, de acordo com a Carta Circular CCPFC-3/2007. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de2/3 do total de horas da ação. A avaliação será baseada nos seguintes itens: • Participação - 40%. • Trabalho individual - 60%.- Elaboração de um texto crítico-reflexivo, refletindo uma abordagem global e integradora dos temas abordados durante as Jornadas, em que seja focado o seu impacto na prática pedagógica e/ou na formaçãopessoal. A avaliação do trabalho incidirá sobre o conteúdo e pertinência da análise, identificando ganhos pedagógicos; acoerência textual e a correção formal

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; relatório dos formadores da ação; relat´´orio da entidade formadora

Bibliografia

Afonso, N. (2005). Investigação naturalista em educação. Um guia prático e crítico. Lisboa: Edições ASA. Bell, D. (2016). The reality of STEM education, design and technology teachers’ perceptions:a phenomenographic study.International Journal of Technology and Design Education, 26, 61–79. https://link.springer.com/article/10.1007/s10798-015-9300-9 Breiner, J. M. et al. (2012). What Is STEM? A Discussion about Conceptions of STEM in Education and Partnerships. School Science and Mathematics,112(1), 3–11 Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P.(Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (pp.1–20). São Paulo, SP:Cengage Learning. Connor, A.M., Karmonar, S., & Whittington, C. (2015). From STEM to STEAM: Strategies for enhancing engineering &technology education. International Journal of Engineering Pedagogies, 5(2), 37-47.http://dx.doi.org/10.3991/ijep.v5i2.4458.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 11-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
3 15-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 18-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
6 21-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 24-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona
8 31-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona

Ref. 136T4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119357/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 11-03-2023

Fim: 31-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Seia e CISE (Seia)

Formador

Paula Cristina dos Santos Silva Fernandes

Destinatários

Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos grupos 230, 240, 500, 510, 520, 530, 540, 550 e 600.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Seia em parceria com o CFAE Guarda-1

Enquadramento

O STE(A)M é um modelo de ensino focado em estimular a aprendizagem dos alunos em várias frentes(multidisciplinaridade), de modo muito mais abrangente e sem a segmentação comumente observada nas salas de aula. Além da multidisciplinaridade, o STE(A)M estimula a autonomia nos estudantes, proporciona maior facilidade na resolução de problemas e facilita uma integração cada vez mais eficiente com o mundo envolvente. Uma das vantagens da abordagem STE(A)M é a possibilidade de oferecer uma aprendizagem interdisciplinar. As áreas não são trabalhadas deforma isolada como acontece no modelo de ensino tradicional. Elas são associadas para que os alunos compreendam a sua relação e de que maneira esses diferentes campos do saber oferecem soluções para problemas e desafios do cotidiano. Isso garante a aquisição de conhecimentos de forma construtiva, consciente e reflexiva. Com ela, o aluno recebe feedbacks constantes, tanto dos colegas como dos professores, numa colaboração ativa e constante. Na educação STE(A)M o professor passa a atuar como mentor. Ele deixa de ser um expositor de conteúdos e passa a auxiliar e estimular os alunos a pensarem, refletirem e a procurarem respostas, alterando a dinâmica da sala de aula. Como muito da educação STE(A)M depende do corpo docente, é preciso preparar o professor para lidar com esse tipo de abordagem. Isso é o mais importante na implementação da metodologia e esperamos com esta ação contribuir para essa preparação no que se refere ao ensino das ciências, reconhecendo que o professor precisa conhecer a metodologia STE(A)M, a suadinâmica, os seus objetivos, o foco principal das aulas, o modo como os temas devem ser abordados, entre outras questões.

Objetivos

No intuito de promover abordagens inovadoras e integradas na educação das STE(A)M, com aplicações relevantes aonível do ensino/aprendizagem, com esta acção pretendem-se atingir os seguintes objectivos: - Conhecer a metodologia STE(A)M; - Aplicar na prática a metodologia STE(A)M; - Reconhecer a importância da metodologia STE(A)M no ensino das Ciências - Replicar boas práticas; - Criar uma bolsa de recursos aplicáveis em todos os ciclos de ensino; - Proporcionar uma melhoria na interação professor-aluno procurando melhorar as dinâmicas em sala de aula.

Conteúdos

Pretende-se uma adequada abordagem dos conteúdos que facilite a gestão quer do tempo quer das aprendizagens,permitindo a cada formando, ao seu ritmo, interiorizar e praticar metodologias adequadas aos seus alunos para que estesatinjam os objetivos das disciplinas leccionadas. Tendo em consideração os objetivos definidos, apresentam-se os seguintes conteúdos para esta ação de formação. 1. A METODOLOGIA STE(A)M 1.1. O QUE É A METODOLOGIA STE(A)M? 1.2. APLICAÇÃO PRÁTICA DA METODOLOGIA STE(A)M. 1.3. BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA STE(A)M. 2. IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA STEM NO ENSINO DAS CIÊNCIAS 2.1. O ENSINO DE CIÊNCIAS E UM CAMINHO, A ABORDAGEM STE(A)M 2.2. MUDANÇAS NA DIDÁTICA. 2.3. AULAS E ATIVIDADES STEM PARA A SALA DE AULA 2.4. CRIAÇÃO DE UMA BOLSA DE RECURSOS –ATIVIDADES STE(A)M 3. BOAS PRÁTICAS – TESTEMUNHOS E EXEMPLIFICAÇÃO DE REPLICAÇÕES

Metodologias

A ação desenvolver-se-á na modalidade de Curso de formação inserido nas “V Jornadas das Ciências e Tecnologias do AE de Seia” que decorrerão ao longo de 4 dias (2 em regime presencial e 2 em regime a distância). A ação será organizada em 10 sessões, 4 de natureza teórica e 6 de natureza teórico-prática. Pretende-se desenvolver momentos de debate, partilha de ideias e a reflexão crítica dos formandos. As sessões serão dinamizadas por formadores certificados para as didáticas específicas das áreas curriculares dos destinatários da ação que contarão com a colaboração de especialistas convidados que irão integrar/enriquecer os trabalhos de cada sessão. Os formadores desenvolverão um trabalho de articulação de saberes, considerado o trabalho interdisciplinar que ametodologia STE(A)M perspetiva, num esforço de trabalho colaborativo entre todos.

Avaliação

Escala de avaliação de 1 a 10 valores, de acordo com a Carta Circular CCPFC-3/2007. A aprovação no curso dependerá da obtenção de classificação igual ou superior a 5 valores e da frequência mínima de2/3 do total de horas da ação. A avaliação será baseada nos seguintes itens: • Participação - 40%. • Trabalho individual - 60%.- Elaboração de um texto crítico-reflexivo, refletindo uma abordagem global e integradora dos temas abordados durante as Jornadas, em que seja focado o seu impacto na prática pedagógica e/ou na formaçãopessoal. A avaliação do trabalho incidirá sobre o conteúdo e pertinência da análise, identificando ganhos pedagógicos; acoerência textual e a correção formal

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário a disponibilizar pela entidade formadora; relatório dos formadores da ação; relat´´orio da entidade formadora

Bibliografia

Afonso, N. (2005). Investigação naturalista em educação. Um guia prático e crítico. Lisboa: Edições ASA. Bell, D. (2016). The reality of STEM education, design and technology teachers’ perceptions:a phenomenographic study.International Journal of Technology and Design Education, 26, 61–79. https://link.springer.com/article/10.1007/s10798-015-9300-9 Breiner, J. M. et al. (2012). What Is STEM? A Discussion about Conceptions of STEM in Education and Partnerships. School Science and Mathematics,112(1), 3–11 Carvalho, A. M. P. (2013). Ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P.(Org.). Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. (pp.1–20). São Paulo, SP:Cengage Learning. Connor, A.M., Karmonar, S., & Whittington, C. (2015). From STEM to STEAM: Strategies for enhancing engineering &technology education. International Journal of Engineering Pedagogies, 5(2), 37-47.http://dx.doi.org/10.3991/ijep.v5i2.4458.

Anexo(s)


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 11-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
3 15-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona
4 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 18-03-2023 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial
6 21-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 24-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona
8 31-03-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online assíncrona

Ref. 134T2 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-03/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 15-02-2023

Fim: 15-02-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Básica e Secundária de Fornos de Algodres

Formador

Isabel Catarina Martins

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres

Enquadramento

O Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres continua a trilhar o seu caminho de crescimento promovendo uma cultura de escola inclusiva, de proximidade, centrada em valores humanistas, onde o aprender a conhecer, a fazer, a ser e a viver juntos e com os outros é uma prioridade. Neste ano letivo, as escolas foram “… convidadas a desenvolver projetos em torno do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 – Educação de Qualidade e, em particular, a apresentar sugestões de como transformar a educação para que esta seja, cada vez mais, inclusiva, de qualidade e equitativa para todas as crianças e jovens." (DGE, A Maior Lição do Mundo 2022/2023 – Transformar a Educação). É neste contexto, reforçado pelo Eixo 1: Ensinar e aprender do Plano 21I23 Escola+, que propomos a realização deste workshop com o objetivo de, em conjunto, pensarmos e partilharmos estratégias que reforcem o papel dos professores/educadores neste processo de transformação.

Objetivos

• Aprendizagem, Sucesso e Inclusão: discussão de conceitos • A singularidade do processo de aprendizagem e a promoção do sucesso • Reflexão sobre estratégias que reforcem o papel dos professores/educadores no sucesso, na construção de uma Escola Inclusiva

Conteúdos

..

Metodologias

..

Avaliação

..

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário de avaliação disponibilizado pela entidade formadora

Bibliografia

..


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 15-02-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 134T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-03/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 08-02-2023

Fim: 08-02-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Básica e Secundária de Fornos de Algodres

Formador

Isabel Catarina Martins

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres

Enquadramento

O Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres continua a trilhar o seu caminho de crescimento promovendo uma cultura de escola inclusiva, de proximidade, centrada em valores humanistas, onde o aprender a conhecer, a fazer, a ser e a viver juntos e com os outros é uma prioridade. Neste ano letivo, as escolas foram “… convidadas a desenvolver projetos em torno do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 – Educação de Qualidade e, em particular, a apresentar sugestões de como transformar a educação para que esta seja, cada vez mais, inclusiva, de qualidade e equitativa para todas as crianças e jovens." (DGE, A Maior Lição do Mundo 2022/2023 – Transformar a Educação). É neste contexto, reforçado pelo Eixo 1: Ensinar e aprender do Plano 21I23 Escola+, que propomos a realização deste workshop com o objetivo de, em conjunto, pensarmos e partilharmos estratégias que reforcem o papel dos professores/educadores neste processo de transformação.

Objetivos

• Aprendizagem, Sucesso e Inclusão: discussão de conceitos • A singularidade do processo de aprendizagem e a promoção do sucesso • Reflexão sobre estratégias que reforcem o papel dos professores/educadores no sucesso, na construção de uma Escola Inclusiva

Conteúdos

..

Metodologias

..

Avaliação

..

Modelo

Resposta dos formandos a um questionário de avaliação disponibilizado pela entidade formadora

Bibliografia

..


Observações

..

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-02-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 127C6T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115547/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 19-01-2023

Fim: 15-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (3 sessões presenciais)

Formador

Catarina Maria Seixas Horta

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-01-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
2 26-01-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 02-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 08-02-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 22-02-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


209

Ref. 129C8T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115548/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 19-01-2023

Fim: 16-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Sacadura Cabral - Celorico Beira (3 sessões presenc.)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-01-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-01-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 02-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 09-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 16-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 23-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 02-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 16-03-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


215

Ref. 128C7T5 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 17-01-2023

Fim: 14-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Seia (3 sessões presenciais)

Formador

António Pina Mendes

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 17-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 31-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
4 09-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 14-02-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona
6 23-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 02-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 14-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


210

Ref. 129C8T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115548/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 17-01-2023

Fim: 21-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola EB 2,3 Dr. G.C.C - Seia (3 sessões presenciais)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN EU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-tool Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 17-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 31-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 14-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 21-03-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


214

Ref. 133T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-02/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 11-01-2023

Fim: 11-01-2023

Regime: Presencial

Local: CISE (Centro de Interpretação da Serra da Estrela em Seia)

Formador

Joaquim José Manteigas Picado

Eusébio André Machado

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial dos Agrupamentos de Escolas Associados do CFAE Guarda-1

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas Dr. Guilherme Correia de Carvalho

Enquadramento

O processo de avaliação dos alunos tem assumido ao longo de várias décadas uma vertente mais classificativa das aprendizagens, que se procura enriquecer, fazendo sobressair o fundamental propósito da avaliação enquanto processo para apoiar os alunos nas suas aprendizagens, “informando-os acerca da sua situação, do seu progresso, em relação aos conteúdos, às capacidades, às competências e desempenhos que têm de desenvolver (Fernandes, 2019, p. 12). Procura-se, deste modo, realçar a natureza essencialmente formativa da avaliação, no sentido de que fornece feedback aos alunos e aos professores para que ambos possam regular o processo de aprendizagem e ensino. Este paradigma de avaliação para as aprendizagens, proporciona informações fundamentais para que os alunos tomem consciência das suas dificuldades e junto com os professores encontrem os meios e processos que as permitam ultrapassar. Importa, pois, refletir acerca da importância do feedback, no processo de monitorização das aprendizagens, que permite garantir o reporte da avaliação aos alunos e aos encarregados de educação sobre as aprendizagens desenvolvidas e a sua qualidade, assumindo a especificidade que de acordo com Fernandes (2019), permite aos docentes comunicarem aos alunos e aos respetivos encarregados de educação, assim como aos próprios, três informações fundamentais: 1- onde se pretende que os alunos cheguem; 2- em que situação se encontram; 3- e o que têm de fazer para aprenderem o que está previsto. Procura-se, deste modo, garantir o reporte da avaliação aos alunos e aos encarregados de educação das aprendizagens desenvolvidas e da sua qualidade. A equidade de oportunidades enquanto projeto de uma igualdade real no acesso ao ensino e à aprendizagem, traço inquestionável que carateriza as sociedades modernas, faz sobressair a preocupação com a adequação dos paradigmas educativos, colocando à sociedade e à escola enormes desafios no sentido de garantir uma exigência de qualidade de ensino para todos os alunos. Neste contexto, assume-se como traço estruturante da aprendizagem, a avaliação sistemática dos contextos, processos e produtos, numa perspetiva de sistema contínuo que suporta os processos de aprendizagem em complementaridade ao sentido de avaliação classificatório das aprendizagens. A reflexão dos docentes sobre a avaliação, enquanto processo inerente ao acompanhamento e apoio do professor que questiona, dá pistas, ajuda o aluno a refletir e a “pensar sobre o pensar”, é determinante para a adoção de práticas que tornam a aprendizagem mais eficiente e significativa e favorecem a autorregulação do aluno, em função das metas que o próprio desenha com base no conhecimento prévio das “regras do jogo”. A presente formação pretende fomentar a reflexão a aprendizagem dos alunos e a necessidade de reequacionar as práticas de ensino e aprendizagem de modo a eliminar as barreiras que se colocam no acesso as aprendizagens, impondo, deste modo, a necessidade de pensar a organização das respostas educativas com base numa visão integradora das áreas de desenvolvimento e aprendizagens essenciais, promovendo o acesso equitativo a uma educação de qualidade para todas as crianças e jovens.

Objetivos

O objetivo fulcral da formação é o de refletir sobre as dimensões da avaliação do ponto de vista pedagógico, de modo que o processo de avaliação potencie a articulação entre a intervenção pedagógica e a ação contingente do aluno. Pretende-se que os docentes consigam, com base nos dados da avaliação, identificar e eliminar as barreiras que se colocam no acesso as aprendizagens e repensar a organização das respostas educativas com base numa visão integradora das áreas de desenvolvimento, aprendizagens essenciais, competências do perfil do aluno, Cidadania, literacia digital e inclusão, promovendo o acesso equitativo a uma educação de qualidade para todas as crianças e jovens, integrando os seguintes conteúdos: - Dimensões da Avaliação enquanto processo orientado para a inclusão dos alunos, para a sua plena integração nas escolas e no sistema educativo”, entendendo que o principal propósito da avaliação pedagógica é “estar ao serviço da melhoria das aprendizagens e do ensino”, ou seja, “ao serviço de quem aprende”. Pretende-se que os docentes reflitam sobre o enquadramento da avaliação de modo indissociável das práticas de ensino e das aprendizagens que os alunos têm de desenvolver; - Propósito e Princípios da avaliação Pedagógica – Avaliar em contextos imersivos de aprendizagem com o propósito de ajudar os alunos e os professores a aprenderem e a ensinarem melhor. Entender, deste modo, a avaliação enquanto processo eminentemente pedagógico, integrado nos processos de ensino e aprendizagem, cujo principal e fundamental propósito é apoiar e melhorar as aprendizagens dos alunos, recolhendo e proporcionando feedback em tempo útil, para os orientar e apoiar nos seus esforços de aprendizagem. Pretende-se impregnar nos processos de avaliação uma relação de proximidade, nas dinâmicas que ocorrem no dia a dia da sala de aula, sendo resultado das interações que se devem estabelecer entre alunos e professores como forma de regulação e de autorregulação que converge para melhores aprendizagens. É, pois, importante flexibilizar não só o acesso à escola, à sala de aula e ao currículo, mas também o acesso aos recursos que os alunos necessitam para aprender, através de abordagens flexíveis, personalizadas, adequadas às necessidades individuais, ajustas e transparentes, que permitem equacionar estratégias, materiais e formas de avaliação pertinentes para todos os alunos, e não apenas para alguns (Meyer, 2014). A importância de se estabelecerem “andaimes” que favoreçam a aprendizagem, sublinhada por Vygotsky, constitui também um dos pontos-chave a considerar na abordagem à utilização de feedback na avaliação. A avaliação formativa relaciona-se, deste modo, com conceitos descritos por autores como Piaget, Vygotsky, Bruner e Bloom, que há muito se preocuparam com o processo de ensino e aprendizagem, ajudando a compreender o modo como se aprende, as diferenças individuais e a pedagogia necessária para enfrentar essas diferenças. Não se trata, pois, de criar novas práticas, mas antes, de organizar, sintetizar, e desenvolver práticas existentes que docentes mais experientes já usam regularmente nas suas salas de aula nas quais o feedback se tem revelado importante no processo de ensino e de aprendizagem, sendo mesmo considerado uma forma eficiente de melhorar o ensino e a aprendizagem. É um processo contínuo em que se estabelecem objetivos, reúnem evidências sobre a aprendizagem dos alunos, fornecem instruções para clarificar quais são as ações seguintes para melhorar o desempenho. No ensino-aprendizagem, o feedback refere-se à informação dada ao aluno que descreve e discute seu desempenho em determinada situação ou atividade. O feedback gera uma conscientização valiosa para a aprendizagem, pois ressalta as dissonâncias entre o resultado pretendido e o real, incentivando a mudança. Um feedback eficaz pode aumentar o esforço e os resultados dos alunos, levar a estratégias de aprendizagem mais eficientes e melhorar a sua autorregulação, permitindo ao professor reorientar a sua prática e desafios a colocar. É consensual a ideia de que as práticas de ensino e aprendizagem devem ancorar-se, cada vez mais, no conhecimento que advém das neurociências. Assim, perspetivando a intervenção a partir da compreensão de como o cérebro aprende e como se pode proporcionar um ensino eficaz, importa perceber que a aprendizagem é um processo multifacetado, que envolve o uso de três sistemas básicos, a saber: as redes afetivas relacionadas com a motivação para a aprendizagem e que ajudam o sujeito a determinar o que é importante aprender; as redes de reconhecimento referentes ao que aprendemos e as redes estratégicas implicadas no como aprendemos e indicam-nos como fazer as coisas que alunos e professores devem mobilizar para otimizar o ensino e a aprendizagem. Nesse contexto, torna-se crucial a clarificação dos níveis de desempenho implicados nas diferentes tarefas de aprendizagem de modo que os alunos saibam à partida o que se espera deles e de que forma podem ultrapassar as suas dificuldades e melhorar o seu desempenho. Que todos os professores almejam que os seus alunos desenvolvam competências complexas nas mais diversas áreas e disciplinas, tais como: resolver problemas em equipa, argumentar e criticar de forma construtiva, pesquisar de modo profundo e criterioso, etc. é inquestionável. No entanto, transformar os sonhos em realidade passa por uma mudança no paradigma de pensar a educação, considerando a Escola como um lugar de oportunidades e não de exclusão. No âmbito deste paradigma de avaliação é imperioso perceber a importância da informação obtida a partir dos dados de autoavaliação dos alunos, no sentido de aumentar a autonomia e responsabilização do aluno e do professor na organização e gestão flexível do currículo, identificando e fundamentando a pertinência das dimensões a considerar na planificação da intervenção pedagógica, de modo a assegurar o acesso, a participação e o desenvolvimento das aprendizagens essenciais. Ao permitir uma participação ativa dos alunos, estes ganham oportunidade de refletir acerca das suas aprendizagens, processos de resolução de tarefas e dificuldades, podendo esta avaliação constituir-se como um importante meio para melhorar os processos de aprendizagem. Deste modo, é fundamental que os professores entendam os dados de autoavaliação em complementaridade com a informação obtida através de outros recursos/ instrumentos, com o objetivo de dar feedback de elevada qualidade a todos os alunos, sem fins classificatórios. Nesta dinâmica, é importante que os professores percebam a relevância de partilhar com os alunos, interesses, regras, critérios de avaliação, claros e facilmente percebidos por todos, enquadrando-se num contexto pedagógico focalizado nas aprendizagens. Em suma, neste contexto de mudança tida como rápida, contínua e continuada, ao nível do ecossistema escola e da gestão do currículo, emerge a necessidade de apoiar os professores e as escolas no processo de melhoria das práticas de avaliação pedagógica, enquadrando-se, neste âmbito, os pressupostos do Projeto MAIA, que pretendemos abordar nesta ação.

Conteúdos

.

Metodologias

.

Avaliação

.

Modelo

Resposta a um questionário a disponibilizar pelo CFAE Guarda-1

Bibliografia

.


Observações

.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 11-01-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 132T1 Concluída

Registo de acreditação: ACD-CFAE_G1-01/2023

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 04-01-2023

Fim: 04-01-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária de Gouveia

Formador

Helena Maria Daniel de Melo Carvalho

Ana Raquel Gonçalves Martinho da Silva

Destinatários

Professores dos 2º e 3º ciclos dos Ensinos Básico e Secundário e professores de Educação Especial do Agrupamento de Escolas de Gouveia

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Agrupamento de Escolas de Gouveia

Enquadramento

Esta ACD surge no âmbito do Projeto de Erasmus + “Bridging The Gap – Boas Práticas Para a Gestão Integrada do Currículo”, inserido no eixo de intervenção “Mudanças nas Metodologias de Ensino e de Avaliação”, enquanto ação de divulgação da formação “Creative Thinking”, realizada em Barcelona, de 23 a 27 de maio de 2022. Pretende-se, com esta ACD, refletir acerca das metodologias e práticas de ensino, promovendo a partilha de ideias e experiências que contribuam par ao incremento da criatividade como ferramenta para o sucesso educativo.

Objetivos

• Questionar o conceito de criatividade e a sua abrangência; • Refletir sobre as competências necessárias para o desenvolvimento da criatividade; • Partilhar experiências e práticas criativas na sala de aula e na escola; • Promover o papel central da criatividade nas práticas de Ensino / Aprendizagem / Avaliação;

Conteúdos

.

Metodologias

.

Avaliação

.

Modelo

Resposta a questionário a disponibilizar pelo CFAE Guarda-1

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-01-2023 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 128C7T3 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 06-10-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: b-learning

Local: EB e Sec. de Fornos de Algodres (3 presenciais+5 on-line)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 13-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 20-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 30-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


205

Ref. 128C7T4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 06-10-2022

Fim: 30-11-2022

Regime: b-learning

Local: EB Sec. Sacad. Cabral-Celorico Beira (3presenciais+5on-line)

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 13-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 20-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 30-11-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


206

Ref. 127C6T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115547/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 04-10-2022

Fim: 29-11-2022

Regime: b-learning

Local: E. B. e Sec. de Fornos de Algodres (3 presenciais+5 on-line)

Formador

António Pina Mendes

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 18-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 25-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 08-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 15-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 29-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


202

Ref. 128C7T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 04-10-2022

Fim: 29-11-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (3 presenciais+5 on-line)

Formador

Carla Sofia da Silva Ferreira Cardoso

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 18-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 25-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 08-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 15-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 29-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


203

Ref. 128C7T2 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115546/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 04-10-2022

Fim: 29-11-2022

Regime: b-learning

Local: EB2,3 Dr. Guilherme Correia de Carvalho-Seia (3 p.+5on-line)

Formador

Liliana Manuela Cruz Melo

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. A esta ação de formação é aplicável o disposto no n.º 5, do artigo 3.º, do Despacho n.º 779/2019, de 18 de janeiro, alterado pelo Despacho n.º 6851-A/2019, de 31 de julho e pelo Despacho n.º 2053/2021, de 24 de fevereiro.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. - Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora. Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 18-10-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 25-10-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
6 08-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 15-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
8 29-11-2022 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona


204

Ref. 121C4T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116274/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 15-09-2022

Fim: 16-02-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (4 sessões presenciais)

Formador

Pedro José Arrifano Tadeu

Destinatários

Professores do 1º Ciclo

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do 1º Ciclo.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 110 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática no Ensino Básico, procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados do conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar práticas de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 1.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada decorridos cerca de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados, na planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Canavarro, A. P. (2009). O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática dos primeiros anos. Quadrante, 16(2), 81-118. Canavarro, A. P., Oliveira, H., & Menezes, L. (2012). Práticas de ensino exploratório da matemática: O caso de Célia. In A. P. Canavarro, L. Santos, A. Boavida, H. Oliveira, L. Menezes, & S. Carreira (Eds.), Investigação em Educação Matemática – Práticas de ensino da Matemática, Livro de Atas do Encontro de Investigação em Educação Matemática EIEM2012 (pp. 255-266). Castelo de Vide: SPIEM. Educação e Matemática, 2022, nº 162 (número temático sobre pensamento computacional) Henriques, A., & Oliveira, H. (2012). Investigações estatísticas. Um caminho a seguir? Educação e Matemática, 120, 3-8. NCTM (2017). Princípios para a Ação. Lisboa: APM.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 15-09-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
2 28-09-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
3 12-10-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
6 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 05-01-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 02-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
10 16-02-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial


194

Ref. 123C2T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116272/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 05-09-2022

Fim: 13-02-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (4 sessões presenciais)

Formador

Olga Maria Cardoso Rodrigues Roque

Destinatários

Professores do grupo de recrutamento 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 500, para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar experiências de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 3.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada a partir de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados para: planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158 Educação e Matemática, 162 NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM. Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11. Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-09-2022 (Segunda-feira) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
2 05-09-2022 (Segunda-feira) 14:00 - 16:30 2:30 Presencial
3 11-10-2022 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 24-10-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 07-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 09-01-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 30-01-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
10 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial


192

Ref. 122C1T1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116273/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 05-09-2022

Fim: 13-02-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária de Gouveia (4 sessões presenciais)

Formador

Carlos Alberto Marques Lopes

Destinatários

Professores do grupo de recrutamento 230

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 230. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 230.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação da Associação de Escolas Guarda-1

Enquadramento

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: a) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; b) 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; c) 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade.\r\nTendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 230 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico, destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem ser capazes de: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar capacitados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar experiências de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e alertados para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 2.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática; - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática; - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemática; Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover - Análise de produções de alunos - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas) - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo) - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada a partir de 2/3 da formação. Sessões presenciais (momentos em pequenos e em grande grupo): análise e discussão das orientações curriculares das AE e de textos teóricos que as suportam e apresentação e discussão da intervenção na prática letiva. Sessões síncronas: resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas para alunos, o seu enquadramento curricular, a análise de produções matemáticas e de episódios de sala de aula. Trabalho autónomo: leitura das AE e de textos disponibilizados para: planificação, concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e na elaboração de um trabalho final individual.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais e nas sessões síncronas, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158 Educação e Matemática, 162 NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM. Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11. Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM.

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-09-2022 (Segunda-feira) 10:00 - 12:30 2:30 Presencial
2 05-09-2022 (Segunda-feira) 14:00 - 16:30 2:30 Presencial
3 26-09-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 10-10-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 24-10-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 07-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 21-11-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 05-12-2022 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
9 30-01-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial
10 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Presencial


193